TV paga perde 25 mil assinantes em setembro


As operadoras de TV por assinatura do país perderam 25,4 mil assinantes no mês de setembro. O número equivale a uma retração de 0,14% em relação a agosto, dando continuidade à tendência de diminuição da base nacional. Ao final do mês, havia no país 17.791.681 contratos ativos. Com relação a setembro de 2017, houve redução de 2,34% na quantidade de usuários.

O segmento segue concentrado nas mãos das quatro maiores operadoras, que juntas somam 97% do mercado. Apenas a Claro/Net tinha 49,6% de participação, enquanto a Sky possuía 29,49%, a Vivo, 8,99%, e a Oi, 8,95%. Operadoras pequenas, regionais, tinham 2,96% do mercado.

Operadoras 2018-08 2018-09 Variação Mensal
ALGAR (CTBC TELECOM) 89.608 88.300 -1,46%
CABO 48.434 47.780 -1,35%
NOSSATV 48.651 48.162 -1,01%
OI 1.573.024 1.592.886 1,26%
Outras 342.395 341.375 -0,30%
SKY/AT&T 5.212.392 5.247.957 0,68%
TELECOM AMERICAS 8.892.548 8.824.748 -0,76%
TELEFÔNICA 1.610.100 1.600.473 -0,60%
Total Geral 17.817.152 17.791.681 -0,14%

Oi e Sky foram as únicas operadoras a ganhar clientes entre agosto e setembro. A primeira viu sua base ampliar-se em 1,26%, enquanto a segunda, em 0,68%. Todas as demais encolheram. Em termos relativos, a Algar foi a que mais perdeu assinantes no mês.

De setembro de 2017 a setembro de 2018, apenas a Oi e o conjunto de operadoras regionais ganharam assinantes. A Oi cresceu 8,95% em 12 meses (131 mil contratos), enquanto as regionais cresceram 5,56% (17 mil).

A Claro/NET, maior operadora de TV do país em acessos, foi a que mais encolheu em números absolutos em um ano: foram 418 mil desligamentos. Depois vem a Nossa TV, do pastor RR Soares, que iniciou recentemente uma grande limpeza de base, desligando mais da metade dos acessos (78 mil).

Anterior Ceará amplia benefícios para pequenos provedores
Próximos Anatel dá mais prazo para operadoras de satélite resolverem problemas de interferência

1 Comment

  1. 29 de outubro de 2018

    O crescimento da SKY acredito que seja de banco de dados, não tanto de clientes realmente ativos.
    Eles estão fazendo uma campanha em massa de cadastros, mesmo com restrições no nome e acabam não vendendo de fato. Mas, como a empresa espera ser vendida, quanto maior o banco de dados, mais valiosa ela parecer ser.