TV digital: governo brasileiro fecha acordo com Japão e anúncio sai na semana que vem


O ministro das Comunicações, Hélio Costa, confirmou hoje, 23, que o governo brasileiro aceitou os termos do acordo bilateral que estava sendo negociado com o governo japonês e oficializou sua opção pelo padrão de modulação ISDB-T para a implantação da TV digital no Brasil. Uma delegação de representantes dos setores público e privado do Japão …

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, confirmou hoje, 23, que o governo brasileiro aceitou os termos do acordo bilateral que estava sendo negociado com o governo japonês e oficializou sua opção pelo padrão de modulação ISDB-T para a implantação da TV digital no Brasil. Uma delegação de representantes dos setores público e privado do Japão passou esta semana negociando os termos do acordo com técnicos do governo brasileiro em reuniões realizadas no Palácio do Itamaraty.

A comunicação de que os termos apresentados pelos japoneses haviam sido aceitos pelo Brasil foi feita por meio de documento enviado pelo embaixador Antonio Marques Porto, diretor do departamento de Cooperação Científica, Técnica e Tecnológica do Itamaraty, ao embaixador do Japão no Brasil, Takahiko Horimura. De acordo com Costa, agora o governo brasileiro espera para quinta-feira, dia 29, a visita do ministro das Comunicações do Japão, Heizo Takenaka, quando o acordo deverá ser assinado.

Takenaka terá um encontro com Lula e, depois, os ministro das Comunicações dos dois países deverão conceder uma entrevista coletiva. A expectativa é de que nesse mesmo dia o governo brasileiro divulgue o teor do decreto que conterá as diretrizes para a implantação do Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD), entre elas o prazo de transição do sistema analógico para o digital que deverá ser de dez anos. Costa informou que o texto do decreto ainda não está fechado. No início da próxima semana, provavelmente na terça-feira, dia 27, o comitê de quatro ministros que nos últimos meses conduziu as negociações em torno da TV digital fará uma nova reunião para fechar o texto final e apresentá-lo ao presidente Lula.

Inovações
O teor do acordo bilateral será diplomático e menos técnico, mas no documento o Japão se compromete a estudar a incorporação das inovações tecnológicas desenvolvidas pelas universidades brasileiras ao ISDB-T. As inovações desenvolvidas aqui dificilmente iserão incorporadas aos equipamentos já disponíveis no Japão, por problemas de incompatibilidades técnicas, mas elas poderão ser agregadas aos equipamentos vendidos em outros países que também adotarem o ISDB.

Segundo Hélio Costa, a principal ferramenta cuja adoção está sendo discutida é o padrão de compressão de áudio e vídeo MPEG IV que, de acordo com o ministro, já é usado pelos japoneses para fazer transmissões a receptores portáteis e no sistema de TV a cabo europeu. “Mas é evidente que nos vamos precisar dar, segundo a estimativa das empresas de radiodifusão, um prazo de seis meses a um ano para fazer a incorporação das ferramentas desenvolvidas aqui”, ressaltou Costa.

Sobre a instalação da fábrica de semicondutores, o acordo não trará uma proposta de implantação por parte dos japoneses, apenas o compromisso de que continuarão estudando o projeto. Quando a concessão de financiamentos para a indústria e radiodifusores brasileiros, os japoneses reiteram a disposição de repassar recursos, especialmente através do JBIC (banco de fomento do Japão). O montante dependerá da demanda brasileira.

Anterior Telefónica se acerta com a Sonae, para assumir o controle da Vivo.
Próximos Vex tem novo diretor financeiro