TV Digital conectada abre boas perspectivas de negócio para empresa inovadora


O mercado de tecnologia é dominado por empresas estrangeiras, mas existe espaço para quem estiver disposto a inovar. A EiTV, criada em 2005, quando foi definido o padrão de TV digital, é fornecedora de 250 emissoras da América do Sul. Ainda, é desenvolvedora de versão do Ginga, middlewear da TV digital brasileira, presente em 2 milhões de set-top-boxes no mercado. No ano passado, a companhia cresceu, em faturamento, 114%. E tem mantido a lucratividade, conforme afirmou Rodrigo Cascão Araújo, proprietário da EiTV. Agora, oferta de conteúdo online nas TVs e a interatividade são as novas fronteiras para a empresa.

“A empresa é pequena. Temos apenas 20 funcionários, sendo 15 dedicados a engenharia de desenvolvimento e suporte. Assim, conseguimos ter muito foco”, explica Araújo. A opção da EiTV é pela contratação de manufatura em outros países. A divisão para emissoras é produzida no Canadá e Estados Unidos. Já os set-top-boxes são importados da China. Para a comercialização dos produtos fora do Brasil, a companhia conta com representantes na América do Sul, onde alguns países adotaram o sistema SBTVD, e com uma filial nos Estados Unidos.

Agora, a EiTV se aventura no mercado de SmartBox. O equipamento funciona conectado a uma TV qualquer e à internet (há opção com Wi-Fi ou sem Wi-Fi). e possui funções de interatividade e acesso à vídeos online, além de oferecer som e imagem com qualidade HDTV. “A vantagem é que o usuário acessa os canais online, não tem as mensalidades cobradas pelas TVs por assinatura”, explica Araújo. A EiTV SmartBox também acessa vídeos online do recém criado portal OTT EiTV. “Estamos negociando algumas parcerias para canais ao vivo via internet. Equivalente a um canal digital, mas o usuário recebe o conteúdo por streaming”.

Para o segmento de emissoras, a EiTV lançou no ano passado o Remux Datacaster, um multiplexador e remultiplexador ISDB-T. E agora, está conversando com “parceiros nacionais”, para avaliar a viabilidade de produção nacional.

O Remux Datacaster suporta multiprogramação e possui a edição de tabelas PSI/SI, geração de pacotes IIP e a configuração para operação em redes de frequência única (SFN). O produto também possui funções exclusivas para geração interna de EPG, Ginga e Closed Caption. Permite geração de EPG via upload de arquivo XML, inserção de Ginga através de software complementar que acompanha o equipamento e geração de Closed Caption a partir de entrada serial (RS232) com protocolo CEA-608 usando extratores de linha 21.

O multiplexador possui até 7 canais de entrada (sendo 6 entradas ASI e 1 entrada IP) e 2 canais de saída ASI (BTS). O gerenciamento e atualização do sistema de multiplexação são realizados pelo usuário remotamente através da rede via Ethernet.

Anterior Jabil anuncia nova unidade de manufatura para eletrônicos
Próximos Transações bancária por celular crescem, em média, 270% ao ano, diz Febraban