TV digital: Brasil e Japão assinam memorando de cooperação.


O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e o ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Taro Aso, assinaram hoje, 13, em Tóquio, um memorando referente à implementação do Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD), baseado no padrão ISDB-T, e à cooperação para o desenvolvimento da respectiva indústria eletroeletrônica brasileira. Segundo o documento, caso o Brasil …

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e o ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Taro Aso, assinaram hoje, 13, em Tóquio, um memorando referente à implementação do Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD), baseado no padrão ISDB-T, e à cooperação para o desenvolvimento da respectiva indústria eletroeletrônica brasileira.

Segundo o documento, caso o Brasil escolha o padrão japonês como base para a implementação do sistema de televisão digital, o memorando terá como objetivo a construção das bases para a viabilização e o desenvolvimento conjunto da respectiva plataforma industrial eletroeletrônica brasileira.

Sistema nipo-brasileiro

Diz o texto: "no caso de o governo brasileiro decidir implementar o SBTVD baseado no padrão ISDB-T, o Brasil e o Japão cooperarão para criar um sistema nipo-brasileiro de televisão digital (…). Para este fim, o governo brasileiro manifesta seu forte desejo de implementar o SBTVD baseado no padrão ISDB-T".

Com o acordo, o governo japonês se compromete a promover a transferência de tecnologia relacionada ao padrão ISDB-T. Em um centro de desenvolvimento a ser formado no Brasil, os japoneses receberão engenheiros brasileiros para treinamento com a colaboração de emissões japonesas e fabricantes no Japão.

Sem royalties

Além disso, "o governo japonês recebe de bom grado a dispensa de pagamento, pelo Brasil, de royalties relativos a patentes das próprias tecnologias ISDB-T", segundo o memorando.

Com a intenção de implementar o SBTVD, o governo do Brasil vai organizar um comitê com setores industriais para elaborar propostas que favoreçam o investimento internacional, abrindo caminho para a criação de indústrias de ponta, como a de semicondutores.

Indefinição continua

O governo ainda não anunciou qual será o sistema digital adotado pelo Brasil para substituir a TV analógica. Os debates se dividem entre os defensores do padrão europeu (DVB), o ISDB e o americano (ATSC). Segundo informações do Ministério das Comunicações, o processo de transição entre os dois formatos levaria pelo menos dez anos.

(Ivan Richard, da Agência Brasil.)

Anterior Projeto em regime de urgência ganha emenda para o fim da assinatura básica
Próximos Minicom faz licitação para mais 500 rádios comunitárias