TV Cultura reitera pedido para usar multiprogramação


O presidente da Fundação Padre Anchieta, que controla a TV Cultura, Paulo Markun, reiterou hoje em audiência com o ministro das Comunicações, Hélio Costa, o pedido de autorização para utilização de dois canais de multiporgramação para fins experimentais e científico. Com a iniciativa, deve ser resolvida a questão entre o Minicom e a TV Cultura, …

O presidente da Fundação Padre Anchieta, que controla a TV Cultura, Paulo Markun, reiterou hoje em audiência com o ministro das Comunicações, Hélio Costa, o pedido de autorização para utilização de dois canais de multiporgramação para fins experimentais e científico. Com a iniciativa, deve ser resolvida a questão entre o Minicom e a TV Cultura, que no dia 9 deste mês, colocou no ar canais sem licença.

Segundo Markun, a TV Cultura apresentou o pedido em fevereiro de 2008, mas não houve manifestação do Minicom. No dia 11 de março, depois que Hélio Costa considerou ilegal a transmissão dos canais de multiprogramação pela TV, novo pedido foi feito. Na sexta-feira (13) a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) entregou notificação à emissora estadual, solicitando a interrupção voluntária das transmissões. "Nesse momento, já havíamos decidido por tirar do ar", disse.

Markun ressaltou que não houve nenhuma intenção em dasafiar o Minicom ao colocar no ar os dois canais, mas de colocar no ar em caráter experimental, entre outras coisas, para verificar como funcionariam esses canais de multiprogramação, sendo um em alta definição e pelo menos dois em definição padrão. "A gente tem uma estimativa de que o canal de alta definição utiliza 60% do espectro e restariam 40% para os outros canais", disse.

Canais

Os dois canais de multiprogramação da Tv Cultura são o Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo) e o Multicultura. O primeiro se destina a divulgação de programa de formação universitária, ensino superior, e especialização de professores, desenvolvido pelas três universidades paulistas com o objetivo de ampliar em 30% o número de vagas das universidades gratuitas em SP. "E a TV digital é parte integrante desse projeto em razão da sua penetração e da interatividade",disse Markun.

E o segundo canal, o Multicultura, tem o objetivo nesse momento de iniciar a experimentação, junto com a Universidade de São Paulo, das perspectivas da interatividade, com utilização do middleware Ginga. "O laboratório da USP participou do desenvolvimento do Ginga e nesse momento está trabalhando no desenvolvimento de um setopbox que será fabricado na própria universidade, em escala experimental", disse o presidente da Fundação Padre Anchieta.

A expectativa de Markun é de que a autorização do Minicom saia até maio, quando está programado o primeiro curso pela Univesp, sobre neurociência, com especialização em epilepsia. Ele disse que no segundo semestre, começam as aulas dos demais cursos regulares, baseados em telecentros. "É o primeiro passo para examinar a possibilidade que a multiprogramação oferece para além da questão comercial", argumentou.

No início de março, o Minicom publicou portaria permitindo a transmissão de multiprogramação e multisserviços exclusivamente aos consignatários dos Serviços de Televisão e de Retransmissão de Televisão Pública Digital explorados diretamente pela União ou mediante outorga a entidade da administração indireta federal.

Anterior União Europeia decide dobrar investimentos em TICs
Próximos Anatel comaça a se mexer contra projeto do Cade