Turner cria site para receber projetos de produtoras nacionais


A Turner International do Brasil criou um site exclusivo para o recebimento de projetos audiovisuais de produtoras locais, uma resposta da programadora estrangeira à obrigação de garantir uma cota de nove horas semanais de conteúdo audiovisual nacional no horário nobre na TV paga, conforme determina a Lei do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), criada em 2011 e que passou a vigorar no ano passado. O site estará ativo a partir de amanhã (20). 

“Nosso objetivo é facilitar e sistematizar o contato com o mercado, atendendo assim a uma demanda do setor com uma plataforma moderna e dinâmica”, disse Anthony Doyle, vice-presidente regional e diretor executivo de conteúdo local. 

Uma vez submetido no site, o formulário será enviado à equipe de produção da Turner, e ficará também acessível a todos os diretores de programação. Para que um projeto seja avaliado, ele deverá ser cadastrado por uma produtora brasileira inscrita na Ancine. Os projetos voltados para canais adultos serão avaliados pela diretora de conteúdo local, Silvia Elias. No caso de formatos infantis, serão analisados pela gerente de conteúdo do Cartoon Network, Boomerang e Tooncast, Daniela Vieira. Se o projeto passar pela primeira etapa de avaliação, o produtor será convidado para um pitching presencial.
 

Além do site, a Turner, em resposta às regras que estabelecem a obrigatoriedade de inclusão de conteúdo nacional e independente nos canais de programadoras, consolidou seu departamento com a contratação de dois produtores e dois assistentes.
 

A Turner Broadcasting System é subsidiária da Time Warner, maior produtora de notícias e entretenimento do mundo e líder na distribuição de programação para a indústria de televisão por assinatura. Entre seus canais estão CNN en Español, CNN International, Boomerang, Cartoon Network, Tooncast, TNT, TCM, Warner Channel, assim como Glitz*, Infinito, I.Sat, TBS muitodivertido, TruTV e Space. (Da redação)
 

Anterior Piloto de FTTH no "Minha Casa Minha Vida" chegará a SP e SE
Próximos Divergências persistem no último debate sobre regulamentação da terceirização