Trópico dobra faturamento


A Trópico, fabricante nacional de plataformas para redes de nova geração e de softwares para melhoria do desempenho das redes, vai fechar o ano com faturamento da ordem de R$ 200 milhões, o dobro da receita de 2007, e lucro. Em boa medida, o aumento da receita se deveu à obrigação de as operadoras de …

A Trópico, fabricante nacional de plataformas para redes de nova geração e de softwares para melhoria do desempenho das redes, vai fechar o ano com faturamento da ordem de R$ 200 milhões, o dobro da receita de 2007, e lucro. Em boa medida, o aumento da receita se deveu à obrigação de as operadoras de se prepararem para a portabilidade numérica, que começou a ser implantada no país em setembro e estará totalmente implementada até março do ano que vem. “A portabilidade numérica vai responder por 30% da nossa receita este ano”, diz Raul Del Fiol, presidente da Trópico. Em 2009, com o fim do projeto Converge, financiado com recursos do Funttel, o fundo de desenvolvimento das telecomunicações, a empresa reassume a área de desenvolvimento do projeto das plataformas NGN. Enquanto o projeto foi financiado pelo Funttel, com recursos totais de R$ 89 milhões, o desenvolvimento está sendo realizado dentro do CPqD.

Na avaliação de Del Fiol, o faturamento deste ano não deverá se repetir em 2009. “Devemos ficar em patamar inferior”, diz o executivo, que, no entanto, continua a ver boas perspectivas para a empresa. Com a crise, as operadoras têm necessidade de otimizar suas redes, com redução de custos e soluções para aumentar receitas, evitando fraudes, por exemplo. E desenvolver esse tipo de solução é também especialidade da Trópico.

Em outra frente, a empresa vai, paulatinamente, conquistando espaço no mercado externo. Vendeu softswitches (o coração das redes NGN) para uma operadora da Colômbia, suas plataformas também estão em teste em outro país latino-americano e, agora, na esteira da joint-venture da Promon Tecnologia com a Logicalis (a Promon S.A. é controladora da Trópico), começa a prospectar os mercados da Índia e África do Sul.

Anterior BrT ganha, no STJ, direito de cobrar taxa de interurbano em ligações no mesmo município.
Próximos Ministro diz que não haverá prorrogação de prazo para novas regras de call center