Trocafone prepara-se para chegar ao Brasil


A startup Trocafone, que atua na compra e venda de celulares usados, acaba de anunciar aporte de US$ 1,1 milhão por meio de um grupo de investidores estratégicos, incluindo a Wayra (no Brasil e na Argentina) e NXTP Labs. Já em operação na Argentina, a empresa destinará parte do investimento para o lançamento no Brasil e para sua expansão na América Latina. Com isso, torna-se o principal e-commerce da região a atuar no segmento de celulares usados.

A Trocafone é o primeiro caso de startup a receber co-investimento de duas academias Wayra ao mesmo tempo – a de São Paulo e Buenos Aires. “Trata-se de um dos investimentos mais atraentes de 2014. Com um modelo escalável, a Trocafone tem como objetivo resolver um dos grandes problemas do uso responsável dos dispositivos tecnológicos. Além disso, traz toda a expertise de uma equipe empreendedora por trás e um grande potencial no mercado global”, diz Carlos Pessoa Filho, diretor da Wayra Brasil.

Pertencente à Quasar Ventures, companhia de investimento com foco em empresas tecnológicas, a startup tem como principal negócio a compra de celulares usados, para reformá-los e revendê-los. O preço de revenda chega a ser 40% menor em relação a um equivalente novo. Para as duas partes, é uma forma simples de compra e venda de um celular, evitando os riscos da troca com desconhecidos. Dessa forma, a Trocafone posiciona-se como principal player em um mercado com grande potencial de crescimento. Estima-se que, até 2017, existirão 225 milhões de celulares nos Estados Unidos e 241 milhões na América Latina. Nos países latinos, o valor de um aparelho costuma ser até cinco vezes maior em relação aos EUA.

Com grande apelo sustentável, a Trocafone contribui de forma expressiva para reduzir o lixo eletrônico, uma das principais ameaças mundiais ao meio ambiente. Dados internacionais mostram que devem ser gerados, até 2017, cerca 65,4 milhões de toneladas de lixo eletrônico ao ano. Só o Brasil, cerca de 1,1 milhão de toneladas de eletrônicos sem uso devem ser descartadas em 2014.

Para Guillermo Freire, empreendedor e CEO da Trocafone, a empresa permite não apenas dar oportunidade a quem hoje não tem acesso aos devices de alto valor, como também promover o consumo responsável. Segundo o executivo, 70% dos aparelhos descartados acabam sendo inutilizados. “Buscamos melhorar a experiência de compra e venda de eletrônicos usados, oferecendo facilidade de pagamento, garantindo qualidade dos produtos com a experiência técnica, garantia e serviço pós-venda,” diz Guillermo Arslanian, seu parceiro e COO da Trocafone. ( assessoria de imprensa).

Anterior Fundos Apax e Bain Capital oferecem 7 bilhões de euros pela holding Portugal Telecom
Próximos Com BrightRoll, Yahoo cria a maior plataforma de anúncios de vídeo nos EUA