Transferência de dinheiro dos imigrantes, via celular.


3GSM World Congress  Estima-se que os 200 milhões de imigrantes que se espalham pelo mundo remetam, por ano, aos seus familiares, em seus países de origem, cerca deUS$ 230 bilhões. Esse é o público-alvo de um novo serviço que, logo mais, as operadoras celulares de todo mundo vão estar oferecendo: a transferência de dinheiro pessoa …

3GSM World Congress

 Estima-se que os 200 milhões de imigrantes que se espalham pelo mundo remetam, por ano, aos seus familiares, em seus países de origem, cerca deUS$ 230 bilhões. Esse é o público-alvo de um novo serviço que, logo mais, as operadoras celulares de todo mundo vão estar oferecendo: a transferência de dinheiro pessoa a pessoa.

Também como parte da campanha de popularização do 3G, a GSM Association lançou um programa piloto de transferência de dinheiro via celular, que envolve 19 operadoras, vários bancos e a Mastercard Worlwide, que vai atuar como um hub global, permitindo a rápida e segura transferência de recursos de um país a outro.

O piloto, que acaba de ser lançado, vai durar seis meses e tem, como foco inicial, os imigrantes que, por um motivo ou outro, não têm acesso a serviços bancários. "As operadoras celulares, que cobrem 28 milhões de localidades, vão permitir acelerar a economia global ", disse Dana Lorberg, vice-presidente senior  de estratégia tecnológica e desenvolvimento de negócios da Credicard.

Segundo ela, em função do aumento da escala das transferências de dinheiro, vai ser possível reduzir, de uma lado,  os custos operacionais das instituições financeiras envolvidas e, de outro, dar velocidade e segurança às operações. Ela diz não ser possível prever de quanto será a redução, mas a experiência de transferência de dinheiro via celular realizada internamente nas Filipinas levou a uma queda de 50% nos custos bancários, segundo relatou Napoleón Nazareno, CEO da Smart Communications, a maior operadora celular das Filipinas.

A Smart é uma das operadoras envolvidas no primeiro piloto de transferência de dinheiro via celular, e já está operando com imigrantes filipinos que vivem no Barhein, nos Emirados Árabes, e na Itália. Em função da experiência da Smart com o pagamento eletrônico via celular – os filipinos usam a carteira eletrônica principalmente para comprar comida, pagar serviços públicos e de educação –, Nazareno é um entusiasta do programa envolvendo imigrantes. Ele acha que ele é socialmente relevante e tem um grande potencial. No caso das Filipinas, são 10 milhões de imigrantes, espalhados por 200 países, que enviaram aos familiares US$ 14 bilhões,em 2006, parte desse volume por canais ilegais e, por tanto, sem segurança para quem envia e para quem recebe.

* A jornalista viajou a convite da Alcatel-Lucent

Anterior “Esse é um acordo dentro da lei”, garante a Sky.
Próximos BrT vai de WiMAX e não vai de IPTV