TIM/Intelig foca estratégia no setor público


A agressividade da dobradinha TIM/Intelig no segmento de governo está tirando o sono dos concorrentes. Em 2010, a empresa elegeu o setor com um dos estratégicos para a companhia e tem derrubado os preços nas licitações, especialmente aquelas realizadas por registro de preço, levando à forte reação dos concorrentes.

A estratégia da empresa é conquistar mercado em searas antes dominadas pela Oi, Claro e Vivo, como os governos do Rio e de São Paulo. No Rio de Janeiro, a Intelig venceu em novembro uma licitação da prefeitura para a contratação inicial de 352 pontos, com endereço e banda definida no valor de R$ 4 milhões. Como se trata de um registro de preço que poderá contar com a adesão de todas as secretarias, o contrato pode chegar a 2 mil pontos, elevando o valor do contrato de dados para R$ 35 milhões.

Ainda no Rio a empresa venceu a licitação do governo do estado, contratado via Casa Civil, no valor de R$ 225 milhões, válido, inicialmente, por dois anos. O contrato inclui oferta de links de telefonia local fornecidos pela Intelig, em um contrato de R$ 100 milhões; e 12,5 mil acessos móveis via TIM para os colaboradores do governo. O pacote inclui serviços de voz, dados, roaming nacional e internacional – para os celulares – e chamadas locais e de longa distância nacional e internacional nos acessos fixos.

Nas duas licitações, a Oi recorreu mas os recursos foram considerados improcedentes. A TIM também venceu a licitação do governo de São Paulo para 25 mil acessos móveis no valor de R$ 36 milhões, contestada pela Claro. Ao longo de 2010 a empresa conquistou ainda os contratos do O800 da Anatel, rede de dados do BNDES, além de licitações variadas nos Tribunais de Justiça do Rio de Janeiro e Brasília, entre outras contas de governo. (Fonte: Wireless Mundi)

* especial para a Wireless Mundi

Anterior Debate sobre classificação indicativa é prorrogado por 90 dias
Próximos Lucro da Nokia tem queda de 21% no quarto trimestre