TIM vai usar energia produzida com biogás de aterros para eletrificar quase mil antenas em São Paulo


A TIM vai colocar em operação, nos próximos dias, uma usina de biogás de resíduos sólidos urbanos (aterros) com 5 MW de potência para autoconsumo remoto. A planta irá atender a 864 sites (antenas) na área de concessão da Eletropaulo, em São Paulo, capital, diz. Até 2020, a companhia pretende atingir 60% de sua matriz energética proveniente de fontes de energia renovável, como solar, eólica, a biogás e Central Geradora Hidrelétrica (CGH), e que corresponderá a uma economia de até 22% no custo da energia. O investimento garantiu à tele presença no índice de sustentabilidade da B3 para o ano de 2019.

A operadora está com uma concorrência aberta para a alimentação de mais 11 mil sites (antenas) – responsáveis por transmitir o sinal em todo o Brasil – de sua infraestrutura por meio da geração distribuída de energia, para autoconsumo remoto. O perímetro-alvo dos projetos atualmente chega a 12.323 instalações localizadas em 22 estados, que representam hoje 68% do total de instalações elegíveis do Grupo, consumindo cerca de 317 GWh/ano.

“Temos mais de 15 empresas envolvidas com os projetos, em âmbito nacional, o que representa um chamamento grande nesse setor. O ganho financeiro é secundário, a redução de custo é consequência do propósito maior, que é tornar a TIM uma empresa cada vez mais sustentável, utilizando energia de fontes renováveis e que não sejam oriundas do mercado cativo”, disse o VP de Recursos Corporativos da TIM Brasil, Bruno Gentil.

Hoje, 18% da matriz energética da TIM, via contratos no Mercado Livre, já é proveniente de energia renovável. Desde 2012, a operadora tem contratos de energia oriunda de fontes renováveis para 37 de suas 66 plantas industriais (datacenters inclusive) elegíveis.

Até 2032, a TIM pretende reduzir os custos com energia pela metade. A adesão ao autoconsumo remoto ocorreu após o bem-sucedido projeto-piloto em Minas Gerais, que entrou em operação em dezembro de 2017, tornando a operadora a primeira do setor a aderir à geração distribuída com suprimento à mais de 1.000 instalações, como atesta relatório da Aneel. Por meio de concorrência, houve o arrendamento de cinco usinas CGHs, que passaram a fornecer energia para 1.234 sites na área de concessão da Cemig.

Atualmente, a geração de energia elétrica a partir de fontes renováveis constitui uma tendência em diversos países, inclusive com a concessão de incentivos à geração distribuída de pequeno porte. Os estímulos justificam-se pelos potenciais benefícios que podem proporcionar ao sistema elétrico: a postergação de investimentos em expansão nos sistemas de distribuição e transmissão; o baixo impacto ambiental; a redução no carregamento das redes; a redução de perdas e a diversificação da matriz energética. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Conselho de Comunicação vai se posicionar sobre ameaça de extinção da EBC
Próximos Grupo Telefónica perto de vender ativos na América Central