9portal-telesintese-celular-planos-aplicativosA TIM vai reforçar sua infraestrutura de banda larga com a expansão do serviço WTTx (sigla que significa uso de conexão sem fio na ponta que chega ao consumidor), a partir de 2018, para todas as cidades médias onde já opera na faixa de 700 MHz.

“Estamos falando de cidades com menos de 600 mil assinantes”, informa Fabiano Ferreira, diretor da Unidade de Negócio Residencial e PME da TIM, durante o almoço de final de ano da empresa com a imprensa.

Como o orçamento de investimento da operadora ainda está em fase de definição, Ferreira não tem o número de cidades que serão ativadas ao longo do ano. Segundo ele, a ativação será progressiva. A TIM vai fechar 2017 com cerca de 700 cidades onde opera na faixa de 700 MHz, localizadas nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

Antes de partir para a ativação em larga escala do WTTx, a operadora desenvolveu, este ano, pilotos comerciais nas cidades de Cuiabá (MT), Campo Grande (MS) e Rio Verde (GO). “É uma solução tecnológica ideal para chegar onde a telefonia fixa não chega”, observa Leonardo Capdeville,

Ao anunciar o novo desenho do serviço Live TIM, durante a Futurecom, Stephano De Angelis, presidente da operadora, afirmou: “A TIM vai alavancar sua rede de ultra banda larga para ganhar participação no mercado residencial. Haverá diferença entre a banda larga [por LTE] pessoal e a residencial”.

FTTH

Também o investimento em fibra até a casa do cliente ou até o escritório vai ganhar novo impulso. De Angelis informou que a empresa vai sair para além das duas grandes metrópoles onde está confinada: São Paulo e Rio de Janeiro, mais outras três cidades na Baixada Fluminense.

Para 2018, ainda sem investimentos definidos, a meta é mais que dobrar o número de cidades onde a operadora tem presença de fibra até o cliente, diz Ferreira.