TIM quer redução do preço do modem


Para Paulo Roberto da Costa Lima, diretor de assuntos regulatórios da TIM, não há nenhuma dúvida de que o celular terá papel decisivo na expansão da banda larga no país. Citando dados projetados pela Anatel, ele disse que a expectativa é se chegar a 2014 com 85 milhões de acesso em banda larga, 50 milhões …

Para Paulo Roberto da Costa Lima, diretor de assuntos regulatórios da TIM, não há nenhuma dúvida de que o celular terá papel decisivo na expansão da banda larga no país. Citando dados projetados pela Anatel, ele disse que a expectativa é se chegar a 2014 com 85 milhões de acesso em banda larga, 50 milhões dos quais na tecnologia celular de terceira geração. Para que isso se cumpra, no entanto, Lima defendeu a necessidade de o governo estabelecer uma política de fomento à produção de modem no país a exemplo da que fixou para os computadores. “O preço do modem ainda é uma barreira”, observou durante o 16 º Encontro Tele.Síntese, em Brasília.

O diretor da TIM também considera crucial para o avanço da banda larga no país o estabelecimento pelo órgão regulador, como já está sinalizado tanto no PGP como no PGR, de medidas objetivas que garantam o acesso de terceiros às redes das incumbents por meio do unbundling; desafiou as concessionárias a levarem seus backbones ópticos a regiões desassistidas; e defendeu a necessidade de se definir políticas de uso das faixas de 600-800 MHz (usadas pela radiodifusão e que ficarão livres ao fim da transição da TV analógica para a digital), 2500-2700  GHz e 3400-3800 GHz, as duas últimas adequadas ao WiMAX, tendo em vista a tendência de vir a faltar espectro no futuro diante do aumento do tráfego móvel de conteúdo multimídia.

Anterior Nextel e Motorola lançam menor iDEN do mercado
Próximos Oi defende troca de TUP por interiorização do backhaul e redução da VU-M