TIM quer manter os dois DDDs, por isonomia.


Se a Anatel contemplar o pleito da Oi, que pediu para ficar com os dois códigos de seleção de prestadora (o 31 e o 14, pertencente à Brasil Telecom), a TIM também vai querer isonomia para manter o seu número original, o 41, e o da Intelig, o 23. Segundo o presidente da TIM, Luca …

Se a Anatel contemplar o pleito da Oi, que pediu para ficar com os dois códigos de seleção de prestadora (o 31 e o 14, pertencente à Brasil Telecom), a TIM também vai querer isonomia para manter o seu número original, o 41, e o da Intelig, o 23. Segundo o presidente da TIM, Luca Lucciani, os DDDs das duas empresas têm usos distintos, uma vez que o 41 está voltado para as ligações móvel-móvel, e o 23 para as ligações fixo-fixo.

Pelas regas da Anatel, cada operadora só pode ter um código de longa distância e em caso de fusão com outra empresa que também possua seu próprio código, ela tem que devolver um dos números no prazo de 18 meses. A Oi foi a primeira a entrar com recurso contra esta regra da agência, alegando que o 31 e o 14 atendem áreas distintas do Plano Geral de Outorgas. Agora é a vez da TIM/Intelig questionar esta regra.

Anterior Subsídio de aparelhos representou cerca de 10% da rentabilidade da TIM
Próximos Acordo pode assegurar votação do PL 29 na CCJ sem mexer nas cotas