TIM propõe compartilhar rede em cidades com menos de 30 mil habitantes


O CTO da TIM Brasil, Leonardo Capdeville

Pioneira no acordo de compartilhamento de frequências, a TIM quer avançar na otimização dos investimentos. Na conferência com os analistas para a divulgação dos resultados do primeiro trimestre, hoje, 8, a empresa apresentou pela primeira vez a sua proposta de novo tipo de compartilhamento.

Leonardo Capdeville, CTIO da TIM Brasil, afirmou que está iniciando a conversa com os demais players para que possa ocorrer o compartilhamento da infraestrutura de telecomunicações nas cidades com menos de 30 mil habitantes. “O Brasil é muito heterogêneo, e nas cidades menores as receitas são muito baixas”, afirmou o executivo.

Ele defendeu a criação de um “grid” único nessas localidades, evitando-se assim a triplicação dos investimentos, para que as operadoras disputem os clientes com a oferta de serviços.

Capdeville disse também  que o acordo de ran sharing iniciado com a Oi, nas frequências mais altas, já foi ampliado para a faixa de 800 MHz.

 

Anterior Ministério da Economia notifica teles por falhas na segurança de técnicos em campo
Próximos Sobretaxa dos EUA a produtos chineses começa nesta sexta,10

1 Comment

  1. Renaldo
    14 de Maio de 2019

    A Tim simplesmente é uma piada, desde o lançamento do serviço de FTTH fez muito pouco para ser um player real no mercado, em 2012 na época que lançou o serviço Tim Live havia muita demanda reprimida por oferta de alta velocidade e players como Vivo e Net não tinham qualquer infraestrutura para competir, valia se individar para ganhar o mercado. Acontece que a Tim resolveu focar no G, e deixou o mercado para provedores pequenos abocanharem essa demanda real, hoje os prevedores pequenos crescem a todo o vapor enquanto a TIM fica querendo compartilhar as contas, uma pena como a falta de visão prejudicou a empresa e não foi por falta de alerta, quem investiu ganhou dinheiro e terá cabeamento pelos próximos 20-30 anos, só precisará atualizar as velocidades ao longo do tempo para se manter competitivo ao longo do tempo. O pior é que hoje sobrou para a empresa focar em comprar toda uma infraestrutura nova para rodar o 5G, quando vier o 6G é jogar a infraestrutura existente fora e comprar novos equipamento focados no 6G e ai por diante… Esse será o futuro da Tim e competindo muitos outros novos players no mercado com infraestrutura própria.