TIM passa a usar a nuvem do Google para big data, analytics e machine learning


A TIM Brasil anunciou hoje, 24, que fechou um acordo com o Google para utilizar o Google Cloud Platform (GCP) como sua plataforma estratégica de nuvem para big data, inteligência de negócios e aprendizado de máquina. “Estamos em um processo intenso de transformação digital dentro da companhia e acreditamos que a parceria com o Google Cloud vai nos ajudar a entender ainda melhor as necessidades dos nossos clientes para que tenham sempre a melhor experiência conosco”, afirma Renato Ciuchini, head de estratégia e transformação digital da TIM. A plataforma do Google Cloud permite que a empresa faça análises em tempo real para obter insights sobre seus negócios. Essas informações ajudarão, diz a operadora, a aprimorar serviços ao cliente, o planejamento e a otimização da rede e a fornecer ofertas personalizadas aos usuários, além de produtos baseados em dados e analytics. “Este acordo com a TIM reflete a nossa estratégia de ajudar as empresas de telecomunicações a monetizar o 5G como uma plataforma de negócios, capacitando-os a engajar melhor seus clientes por meio de experiências orientadas por dados e ajudando-os a melhorar a eficiência operacional”, afirma Marco Bravo, head de Google Cloud para o Brasil.

TIM vai construir um centro de excelência

O Google Cloud será responsável pelo fornecimento da GCP e também de toda a consultoria que envolve a migração do ambiente atual, redesenho e otimização em nuvem, além do apoio na construção do CoE (Centro de Excelência) da TIM, que será responsável em fazer toda a gestão do ambiente após sua conclusão. Por meio do acordo, a operadora também fará uso de outros serviços da plataforma Google Cloud, como BigQuery, Dataproc, Dataflow, Cloud Composer, Data Fusion e Google Kubernetes Engine. Tudo isso será acessado por cientistas de dados da operadora. “As soluções que teremos acesso a partir da plataforma do Google Cloud irão nos permitir simplificar e evoluir nossa arquitetura, além de possibilitar o tratamento e uso das informações de forma cada vez mais eficaz”, complementa Auana Mattar, CIO da TIM Brasil.

PUBLICIDADE
Anterior Após pressão de investidor, AT&T troca o CEO
Próximos Para AGU, sem dados das operadoras não haverá cálculo da inflação