TIM negocia compartilhamento de rede com Claro, Vivo e ISPs


A TIM comemorou a decisão da Anatel, de autorizar o compartilhamento de infraestrutura e de espectro com a Oi. A agência aprovou o acordo na última semana, permitindo que as teles façam uso de faixas contínuas de frequência nas áreas em que atuam.

“Neste acordo, que consideramos estratégico para o setor de telecomunicações no país, colocamos o compartilhamento de infraestrutura e de espectro. Por isso vamos continuar buscando esse tipo de acordo não apenas com a Oi, como com os outros players do mercado”, disse Stefano De Angelis, CEO da TIM que dará lugar a Sami Foguel na próxima semana.

Leonardo Capdeville, VP de tecnologia (CTO) da operadora, diz que a operadora já negocia com outras empresas contratos semelhantes. “O compartilhamento de infraestrutura é assunto contínuo com parceiros. Discutimos com Vivo, Claro, Oi e também com os provedores locais formas de compartilhar o backhaul”, falou, durante a conferência de resultados realizada hoje (20).

Refarming de 2,1 GHz

A TIM começou no segundo trimestre do ano a remanejar o espectro de 2,1 GHz que possui e destinava para cobertura 3G. A operadora iniciou por um projeto-piloto na capital do Piauí, Teresina. Ali, separou parte da frequência para uso com LTE. Com isso, obteve um aumento médio de 14% na velocidade do downlink em sua banda larga móvel.

Agora, a empresa começa a ampliar este refarming. Vai destinar o espectro para a 4G em todo o país. Com mais velocidade, a operadora consegue melhorar um dos seus tradicionais pontos-fracos, que é a estabilidade das chamadas. Isso porque, associado ao espectro de 700 MHz, os telefonemas em 4G podem ser feitos com tecnologia VoLTE, mais estável.

O VoLTE apresenta 0,2% de quedas de chamadas. Uma fração comparada ao 1,5% das chamadas não-VoLTE, segundo a empresa.

700 MHz em São Paulo

Enquanto iniciar o refarming dos 2,1 GHz, a operadora não para com a expansão dos 700 MHz. A frequência está sendo liberada aos poucos para uso pela Anatel. A expectativa da TIM é que esteja livre para o uso em São Paulo (capital) nos próximos dias.

“Já temos 600 ERBs instaladas [compatíveis com a frequência] instaladas, só esperando para começar essa operação”, disse Capdeville, o CTO da TIM. Ele ainda disse que a operadora se prepara para destinar a frequência de 800 MHz que tem em algumas áreas também para a 4G.

Anterior TIM prepara expansão da banda larga fixa no Nordeste
Próximos TIM pretende ser protagonista em consolidação do setor de telecom no Brasil

2 Comments

  1. Renato Sena
    22 de julho de 2018

    Pelo menos na minha cidade funciona assim tinha assinatura da tim cancelei motivo internet fraca, mudei pra claro cancelei motivo quando precisava da internet nada ficava sem trabalhar ai mudei pra vivo atualmente estou mas ja vou cancalar fica 10 minutos conectado e 20 minutos fora e ai fico com qual operadora as vezes saiu correndo pro escritório pra baixar um arquivo pq ñ consigo baixar, mal só presta para usar as redes sociais.

  2. 22 de julho de 2018

    Sempre achei isso seria a melhor ideia já que o meio ambiente proíbe muitas novas torres e as concessionárias de telefonia só vende novas linhas e não fazem expansão. Parabéns