TIM inicia teste de campo com a 5G na faixa de 3,5 GHz


O presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola, afirmou que a operadora quer ser a líder da 5G no país.Com essa iniciativa, pretende ver até que ponto a 5G pode substituir a fibra óptica fixa. Vai testar também carros autônomos.

Brasilia, 22 de maio de 2019 – Telebrasil 2019 – Foto: Saulo Cruz / Themapress

A TIM anunciou hoje, 22, o início de testes de campo com a tecnologia 5G na cidade de Florianópolis, em Santa Catarina, em parceria com a Fundação CERTI e a Huawei. Segundo o CEO da operadora, Pietro Labriola, a intenção é testar a tecnologia para ser usada como uma rede fixa Wireless Acess, para conferir até que ponto a 5G poderá substituir a rede fixa de fibra óptica (FTTH). Também serão testados serviços como realidade virtual e, em breve, carros autônomos.

“Queremos entender melhor a tecnologia, e por isso, estamos saindo do laboratório e partindo para o campo”, afirmou. O executivo assinalou que a empresa é ecumênica em relação à tecnologia, e lembrou que já firmou acordos  com os outros dois grandes fabricantes de redes de 5G- as europeias Nokia e Ericsson. Com esses vendors,  os projetos são desenvolvidos nas cidades de Campina Grande, na Paraíba, e Santa Rita do Sapucaí, em Minas Gerais. Essas duas parcerias envolvem também as universidades. Na Paraíba  participa a Universidade Federal de Campina Grande e, em Minas Gerais, o parceiro é o Inatel. ” A TIM quer ser pioneira e líder da 5G, tanto no Brasil como na Itália”, acentuou.

Riscos da 5G

O executivo alertou, em painel do Telebrasil 2019, que tecnologia de quarta geração gerou um grande aumento de tráfego de dados, e com a 5G,  o crescimento será muito maior. Defendeu que o país resolva problemas atuais, para não provocar riscos à 5G. “Para chegarmos à 5G, temos que resolver os problemas da 4G”, defendeu.

Entre as questões que, no seu entender, precisam ser resolvidas rapidamente estão a liberação para a instalação das antenas de celular. Isso implica resolver o marco legal local. Sugeriu também a necessidade de se assegurar que a rede de banda larga de alta capacidade – o bakchaul –  aumente a sua capilaridade e seja sempre compartilhada. ” Não faz sentido furar o chão três vezes”, afirmou.

Labriola voltou a defender que as próprias operadoras devam defender melhor o que fazem, passando a tratar o celular como um serviço crítico, já que ninguém consegue mais ficar muito tempo sem o seu acesso, de maneira a monetizar melhor as ofertas. “A TIM investiu R$ 32 bilhões em oito anos, para o preço nominal do serviço continuar o mesmo. Não faz sentido”, ponderou.

 

 

 

Anterior Qualcomm é condenada por práticas anticompetitivas nos EUA
Próximos Irlanda investiga se Google se adequou à GDPR

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *