shutterstock_Robbi_Mercado_Negocios_parceria_Concorrencia

A TIM contratou a Ericsson para modificar a arquitetura da atual base de dados de usuários da operadora, que tem 70 milhões de assinantes no Brasil e gera, todo dia, bilhões de CDRs. O processo começa por São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, mas vai abranger todo o país.

O projeto inclui a implementação e a consolidação das bases de dados de todas as tecnologias – 2G, 3G e 4G –, incluindo o VoLTE e outros serviços integrados da operadora. Com duração de cinco anos, o contrato contempla ainda a virtualização destes elementos de rede.

Segundo as empresas, as medidas serão responsáveis por “maior flexibilidade de alocação de recursos computacionais, redução no tempo de disponibilização, atualização e lançamento de serviços para seus clientes, além da redução de custos operacionais” para a TIM.

No pacote, estão incluídos serviços da Ericsson que vão desde design e integração de rede até treinamento e suporte ao cliente. Prevê uso de uma solução de proteção de sobrecarga e gerenciamento de capacidade, para controle de congestionamento fim a fim por meio de um mecanismo de cooperação em tempo real entre os diferentes elementos de rede virtualizados.

“Com a consolidação de sua base de dados, a solução da Ericsson permitirá à TIM ter uma visão mais completa da base de clientes, facilitando a monetização do recurso de dados e trazendo oportunidades de aumento de receita através de novos casos de uso”, afirma Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson no Brasil.

Segundo a Ericsson, sua ferramenta de SDM (Subscriber Data Management) é usada por 140 operadoras, que somam mais de 4,7 bilhões de assinantes, mundo afora. (Com assessoria de imprensa)