Imagem: Camila Sipahi, baseado em Freepik

A cidade de Santa Rita do Sapucaí passa a contar, a partir de agora,  com a rede de Narrow Band IoT (NB-IoT) da TIM para uso comercial. “Estaremos surfando na onda da escala mundial”, avisa Leonardo Capdeville, CTO da operadora, ao explicar as razões da TIM em apostar nesta tecnologia para oferecer soluções de internet das coisas ao mercado brasileiro. A NB-IoT é uma das tecnologias aprovadas pelo 3GPP (grupo mundial de definição de padrão para a LTE e 5G).

Conforme o executivo, a NB-IoT aplicada na frequência de 700 MHz amplia entre 30% a 40% a cobertura tradicional  em relação ao uso dos smartphones, aliando ainda como vantagem o baixíssimo consumo de bateria nas aplicações de Iot. ” Com a NB-IoT pode-se desenvolver dispositivos com baterias com tempo de duração entre 5 a 10 anos, fundamental para essas aplicações”, informa ele.

Capdville aponta que a TIM, a partir dessas experiência-piloto (que terá as aplicações de Smart City lançadas no próximo dia 26), a operadora poderá, rapidamente, oferecer diferentes conectividades de IoT para as mais de mil cidades brasileiras que já contam com a tecnologia LTE da operadora. “Essa cobertura ficará imediatamente à disposição das aplicações de IoT, e, até 2020, poderá chegar nas 4 mil cidades onde estaremos presentes com a LTE em 700 MHz”, avisa.

A maximização dos investimentos e a rápida adaptação da rede do smartphone também para a Internet das Coisas foram alguns dos motivos que levaram a TIM a apostar nesta tecnologia. Outras razões, aponta Capdville, devem-se ao fato de que o serviço estará sendo prestado em uma frequência licenciada (e por isso, protegida contra interferências) e a cobertura que poderá ser alcançada. “A medida em que for aparecendo casos de negócios, vamos ativando as cidades. Para sair de Santa Rita, o tempo e o investimento serão muito pequenos,” afirmou.

A oferta da NB-IoT na cidade mineira está sendo feita em parceria entre a operadora de celular, que fornece a conectividade; o Inatel, que desenvolve o software; e a Ericsson, que oferece a plataforma de IoT.