Telsign lança solução de Self-Organizing Network


A Telsign Consultoria e Serviços lançou, no Brasil, uma solução para otimização de redes, desenvolvida nos parâmetros do conceito SON (Self-Organizing Network), a partir de uma representação exclusiva no país com a empresa Israelense Triangulum Soluções. O serviço será ofertado no mercado, entre outras possibilidades, no modelo “Risk-Free”, ou seja, o cliente paga pelos serviços …

A Telsign Consultoria e Serviços lançou, no Brasil, uma solução para otimização de redes, desenvolvida nos parâmetros do conceito SON (Self-Organizing Network), a partir de uma representação exclusiva no país com a empresa Israelense Triangulum Soluções.

O serviço será ofertado no mercado, entre outras possibilidades, no modelo “Risk-Free”, ou seja, o cliente paga pelos serviços de acordo com os índices de melhoria entregues. Idineu C. Travaglini, diretor de operações da Telsign, destaca que aplicando gestão de serviços de otimização na infraestrutura de rede é possível prever colapsos e gargalos, planejar balanceamento de carga no tráfego da rede, absorver e gerenciar aumento de tráfego, promover um gerenciamento de fluxo escalonável, entre outros benefícios, que impactarão de forma positiva para enriquecer a experiência dos usuários. “Observamos que o mercado brasileiro de Telecom é carente de soluções que reflitam de forma positiva diretamente no usuário destes serviços, que atualmente já acumulam mais de 260 milhões de linhas no serviço móvel”, explica o executivo.

Nesse contexto, os serviços para otimização de redes de telefonia da Telsign iniciam-se na fase de levantamento, o chamado “Assessment”, que consiste em levantar dados para análise de diagnóstico. Após esta fase, a plataforma identifica os pontos de melhoria e imediatamente toma ações corretivas através da alteração automática de parâmetros sistêmicos tais como potência irradiada e inclinação elétrica das antenas, dentre outros. A médio e longo prazo são obtidos resultados que realmente fazem a diferença, tais como satisfação dos clientes, reconhecimento do mercado, usuários e mídia, queda nas reclamações, fidelização, diminuição de subsídios para se conquistar novos assinantes e do custo operacional. Além disso, há um melhor aproveitamento da capacidade já instalada, redução da necessidade de novos investimentos, disponibilização dos recursos humanos (pessoal técnico) para se dedicar a assuntos mais urgentes, tais como a implantação da nova tecnologia 4G. (Fonte: assessoria de imprensa)

Anterior Segurança em medidores inteligentes é foco de projeto do CPqD e Elektro
Próximos Novo satélite da Embratel custou US$ 260 milhões