Telemar quer maximizar rede da Way e estuda novas aquisições


O clima voltou a esquentar hoje, 3, no Congresso da Associação Brasileira de TV por Assinatura. No centro das atenções, a compra da Way Brasil por uma "afiliada" do grupo Telemar. "Afiliada", pois foi assim que André Blanco, diretor de novos negócios da Telemar, definiu a TNL PCS Participações, compradora da operadora mineira de cabo. …

O clima voltou a esquentar hoje, 3, no Congresso da Associação Brasileira de TV por Assinatura. No centro das atenções, a compra da Way Brasil por uma "afiliada" do grupo Telemar. "Afiliada", pois foi assim que André Blanco, diretor de novos negócios da Telemar, definiu a TNL PCS Participações, compradora da operadora mineira de cabo. Ou seja, segundo o executivo, ela não seria nem coligada, nem subsidiária, nem controlada.

O conselheiro da Anatel José Leite Pereira Filho foi mais objetivo e definiu que nenhuma empresa "do mesmo grupo econômico" de uma concessionária poderia operar TV por assinatura em sua área de concessão. A menos que houvesse manifesto desinteresse de outras empresas nas outorgas. O fato da TNL ter sido a única fazer proposta no leilão da Way caracterizaria tal "desinteresse"? O conselheiro Leite não respondeu. Se respondesse, estaria adiantando seu voto no caso. E o fato da CTBC possuir uma licença de TV por assinatura na mesma área onde atua como concessionária de telefonia fixa? "Isso é uma exceção que antecede a Anatel", se limitou a responder Leite.

Em cima de exceções e brechas jurídicas, Blanco, da Telemar, exibiu, enquanto esteve no congresso ABTA, confiança de que o processo será aprovada pela Anatel. Para tanto, explicou Ara Minassian, o órgão regulador precisa primeiro ser comunicado pela Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) de que a TNL venceu o leilão. "Por enquanto só ficamos sabendo pela imprensa", disse o superintendente de Serviços de Comunicação de Massa da agência. Depois disso, a área técnica da Anatel vai analisar a questão por 30 dias e encaminhar ao Conselho Diretor, que tomará, enfim, a decisão – o que não necessariamente será rápido.

Emoções

Devido ao processo, Minassian apregoou que este não é momento adequado para "fortes emoções", como as que vêm marcando os debates sobre a questão, dando a entender que a discussão vai longe, até porque a Anatel pode pedir "esclarecimentos sobre o tema" a todos os envolvidos. Isso não impede que André Blanco, da Telemar, se adiante sobre os planos da Telemar sobre a Way Brasil. "Pretendemos maximizar a rede", revelou.

Ou seja, oferecer serviços de TV por assinatura, com a licença da Way, mesmo onde a rede de cabo da operadora não chega. No caso, utilizando a rede IP da Telemar. A jornalistas, ele disse também que a empresa já está selecionando fornecedores de equipamentos (decoders, por exemplo) para o IPTV e o nome desses fornecedores deve ser revelado até o final deste mês.

Além disso, Blanco comentou que a empresa estuda novas aquisições (do mesmo tipo da Way). "Nosso foco é nos 16 estados de nossa área de concessão", se limitou a dizer. O executivo adiantou também que a empresa fará testes com IPTV (piloto comercial) ainda este ano em Belo Horizonte. "Pretendemos explorar todas as potencialidades do IPTV", explicou, referindo-se tanto a serviços de TV por assinatura como de video on demand.

Anterior Ricardo Oliveira na BenQ Mobile
Próximos Umeoka vai para a Microsoft Ásia-Pacífico