Telefônica vai lançar serviço fixo na rede 3G da Vivo


O primeiro produto efetivamente integrado da Telefônica/Vivo é um serviço fixo que vai ser oferecido pela Vivo sobre a rede 3G, nas cidades fora do estado de São Paulo. A transferência das licenças da Telefônica para a Vivo já foram aprovadas pela Anatel, segundo anunciou hoje, durante a Futurecom 2011, que se realizada em São Paulo, o presidente do Grupo Telefônica no Brasil, Antonio Carlos Valente.

Com esse produto, a Vivo amplia seu portfólio de serviços e vai concorrer com todos que oferecem telefonia fixa no país, especialmente a Oi, a concessionária das áreas 1 e 2, GVT, Embratel e TIM. Paulo César Teixeira, ex-vice presidente da Vivo que hoje foi anunciado como o novo CEO da Telefônica/Vivo, disse que o novo produto vai ser lançado primeiro em um piloto e depois será estendido para todas as cidades – hoje mais de 1.500 – onde a Vivo tem rede 3G
A meta da empresa, anunciada no ano passado, era chegar ao final de 2011 com 2.832 cidades com a rede 3G, mas a implementação da rede está um pouco atrasada. Teixeira disse que a oferta de voz fixa – que será feita por um terminal fixa, com numeração e tarifação da telefonia fixa, bem mais barata – é importante para a Vivo, pois muitos de seus clientes são também usuários de serviço fixo ou gostariam de ter uma linha fixa.

A oferta do serviço em São Paulo ainda depende de aval da Anatel. A situação da Telefônica no estado é diferente, pois em São Paulo ela é concessionárias, enquanto nas demais regiões é autorizatária, portanto prestará o serviço em regime privado. A operadora, segundo Valente, já solicitou à Anatel autorização para que a Vivo ofereça o serviço fixo-móvel também em são Paulo. “Continuaremos prestando o serviço pela rede fixa, mas queremos também oferecê-lo pela rede móvel”, explicou Valente.

Concessão

A Telefônica está concluindo sua reestruturação acionária pós fusão com a Vivo. Na reunião do Conselho de Administração da empresa, marcada para amanhã, será dado o último passo com a incorporação da Vivo Participações pela Telesp. Assim, a Vivo passará a ser uma subsidiária integral da concessionária. Valente, em sua apresentação no congresso da Futurecom, destacou que que o processo de integração da empresas foi transparente e muito bem percebido pelo mercado, tanto que suas ações se valorizaram 3,47% enquanto o índice Ibovepa caiu, no mesmo período, 11,77%. “Hoje, o valor de mercado da Telefônica Brasil é de R$ 55 bilhões, é a oitava empresa brasileira em capitalização e se encontra entre as 20 maiores operadoras de telecomunicações do mundo”.

A decisão se a Vivo vai permanecer como subsidiária integral da Telesp, ou vai sair do guarda-chuva da concessionária, vai depender de como vai ser regulada a nova lei de TV por assinatura (PLC 116) e de outras decisões da Anatel. “Por enquanto, ela é subsidiária integral. Vamos aguardar a regulamentação”, explicou Valente.

Anterior Oi e Banco do Brasil vão lançar banco móvel no pré-pago
Próximos ZTE vai iniciar produção local só com terminais