Telefônica Vivo lucra R$ 3,4 bi em 2015, queda de 31%


A operadora brasileira registrou aumento de 15,9% no Ebitda, para R$ 12 bilhões, em relação a 2014 e crescimento de receita líquida de 4,8%, para R$ 42,1 bilhões. Os investimentos diminuíram, para R$ 7,66 bilhões frente a R$ 9,1 bilhões de 2014. A empresa informa que a diferença foi motivada principalmente pelo impacto do leilão de 700 MHz realizado no ano anterior

As receitas líquidas da Telefônica Vivo chegaram a R$ 42,1 bilhões, representando crescimento de 4,8%, “num mercado em que a soma dos principais concorrentes apresentou uma queda estimada de 2,8”, ressaltou a companhia em seu relatório ao mercado. Conforme a empresa,  esse crescimento foi impulsionado tanto pelo desempenho do negócio móvel, que faturou R$ 25,1 bilhões (crescimento de 6,2% vs. redução de 9,1% estimada para os principais players), como pelo negócio fixo, que cresceu 2,7% e faturou R$ 17,0 bilhões.

O EBITDA (caixa) de 2015 foi de R$ 12, 054,5 bilhões, aumento de 15,9% em relação aos R$ 10, 404  bilhões em 2014. O EBITDA gerado pela GVT entre maio e dezembro de 2015 foi de R$ 1, 459,9 bilhão. Por sua vez, a Margem EBITDA alcançada em 2015 foi de 29,9%, incremento de 0,2 p.p. em relação à margem de 29,7% registrada no ano anterior. A dívida bruta somou R$ 9,956 bilhões ou 14,5% do patrimônio líquido. Em 2014, embora a dívida fosse menor, de R$ 7 bilhões, tinha maior parcela do patrimônio líquido (17%). 

O lucro líquido foi de R$ 3,42 bilhões em 2015 (R$ 4, 936,6 bilhões em 2014), montante 30,7% inferior ao mesmo período de 2014. Em 2015, a Companhia investiu R$ 7, 667 bilhões, contra R$ 9,140 bilhões de 2014,  sendo este valor acrescido do montante relativo aos investimentos da GVT no período de maio a dezembro de 2015, após sua aquisição pela Telefônica Brasil. “Tais investimentos são inferiores a 2014 devido, principalmente, aos custos de espectro associados ao leilão do uso da frequência de 700 MHz para telefonia móvel que impactaram de forma significativa o investimento de 2014”, ressalta a empresa. 

Desempenho operacional

O grupo ressalta que “o negócio fixo foi beneficiado diretamente pela chegada da GVT”. A empresa dobrou o número de acessos em banda larga fixa, com uma participação ainda maior de clientes de alta velocidade, além de duplicar a sua base de clientes em TV por assinatura, que já atinge 1,8 milhão de acessos.

Ao final de 2015, a Companhia totalizou 73.268 mil acessos móveis, reafirmando sua liderança com uma participação de mercado (market share) de 28,4% em dezembro de 2015.

Em relação à telefonia fixa, a Companhia encerrou o ano de 2015 com 23.559 mil unidades geradoras de receitas, aumento de 52,6% em relação ao ano anterior, impulsionada pela adição de clientes da GVT e  atingiu 7.114 mil clientes  de banda larga, crescimento de 81,3% ou 3.190 mil adições líquidas em relação ao ano de 2014, crescimento, em maior parte, inorgânico, resultado da integração com a GVT. Os acessos por meio do FTTH atingiram 587 mil, com crescimento anual de 56,7%

 

Anterior TV paga volta a crescer em janeiro
Próximos Fundo russo desiste da Oi, depois que TIM formaliza não querer fusão