Telefônica Vivo e USP assinam acordo para pesquisa em Smart Cities


A Telefônica Vivo e a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EPUSP) firmaram hoje um acordo de cooperação técnica para o desenvolvimento de projetos e metodologias para a solução de problemas urbanos. A parceria envolve a criação de um laboratório para implantação e estudo de projetos em Smart Cities.

O laboratório será implantado até março de 2015, tendo como principal recurso a plataforma de Smart City da Telefônica Vivo. As pesquisas terão como foco a área de iluminação pública de municípios, com extensões para as áreas de segurança e energia, buscando a gestão inteligente e sustentável desses recursos. Posteriormente, outros temas da gestão municipal poderão ser abrangidos. O laboratório será também um espaço para a criação de indicadores de avaliação – um segmento que ainda se encontra em estágio embrionário no país.

A Universidade Politécnica de Madri (UPM), que já mantém convênio de duplo diploma com a Escola Politécnica da USP, também vai colaborar. A Telefónica participa ativamente de projetos de Smart Cities na Espanha, como em Santander, considerada hoje uma das cidades com mais recursos de gestão inteligente do mundo. Em 2010, a empresa liderou esse projeto, que contou com a participação de 25 organizações de 10 países. Foram instalados mais de 20 mil sensores, em serviços ligados a estacionamento, qualidade do ar, monitoramento do tráfego e iluminação. O Projeto Smart Santander proporcionou um campo de teste para a pesquisa e desenvolvimento de arquiteturas, tecnologias essenciais, serviços e aplicações no contexto da Cidade Inteligente.

No Brasil, o município de Águas de São Pedro, a 186 km de São Paulo, está sediando o Projeto Cidade Digital da Telefônica Vivo. A iniciativa, além de prever modernização dos serviços de conexão e voz, abrange também a implantação de 20 diferentes soluções digitais nas áreas de educação, saúde e gestão pública.

A Escola Politécnica, por meio do GEPEA, tem atuado em diversos municípios do Estado de São Paulo, como Diadema, Leme, Guarulhos, Embu, Mauá e na própria capital, contribuindo para a melhoria da gestão em energia e iluminação pública. (Com assessoria de imprensa)

Anterior 85% das operadoras planejam investir em WiFi até 2016
Próximos NSA espionou a GSMA