Telefônica Vivo coloca IoT no foco da Campus Party


Este ano, a operadora oferecerá uma capacidade de conexão de 50 Gbps, além das tecnologias 3G e 4G. “Trata-se de uma infraestrutura profissional para atender cidades como Belo Horizonte e Fortaleza”, comentou Antonio Carlos Valente, presidente da Telefônica Vivo

A Telefônica Vivo quer que os 8 mil campuseros que chegaram hoje ao Espaço Imigrantes, em São Paulo, para participar da 8ª Campus Party, comecem a se conectar com a Internet das Coisas (IoT). Esse foi o tema escolhido pela empresa para o hackaton — maratona de programação — que promove durante o evento e vai contar com a distribuição de dois kits, o wearable (vestível) e outro composto por microcontrolador e sensores que utiliza protocolos de comunicação ligados à IoT. O e-commerce também estará na pauta, via cinco Maratonas de Negócios promovidas pela Wayra. E, para ir mais além, a organização do encontro lançou uma plataforma virtual para reunir os 350 mil campuseros de todo o mundo a fim de “reescrever o código-fonte” do mundo.

Segundo o diretor do Centro de Inovação da empresa, Pablo Larrieux, as ferramentas que estão sendo oferecidas pela companhia aos campuseros vai permitir que eles trabalhem com o que há de mais avançado no mundo IoT. O kit wearable estará em uma pulseira ou pêndulo com sensores e bateria recarregável e poderá ser conectado ao celular via Bluetooh, permitindo que os campuseros enviem arquivos para a nuvem da empresa por meio da conexão móvel. O segundo kit é composto por um microcontrolador com sensores embutidos, um microprocessador RaspberryPi e conectividade 4G, além da solução de armazenamento em nuvem. A maratona de programação vai aceitar até três grupos de pessoas e os três melhores aplicativos serão divulgados no último dia, sexta-feira.

Além de patrocinadora do evento, a Telefônica Vivo também é a provedora de infraestrutura do evento. Este ano, a operadora oferecerá uma capacidade de conexão de 50 Gbps, além das tecnologias 3G e 4G. “Trata-se de uma infraestrutura profissional para atender cidades como Belo Horizonte e Fortaleza”, comentou Antonio Carlos Valente, presidente da Telefônica Vivo. De acordo com o executivo, o Campus Party faz parte, atualmente, do ecossistema de inovação da empresa como um dos pilares para a consolidação em uma telco digital.

A Campus Party contará com 700 horas de conferências e workshops, com a presença de nomes do mundo web, como Ime Aerchibong, que conduz o projeto Internet.org do Facebook, Chris Anderson, autor dos livros A Cauda Longa e Free, ex-editor da revista Wired e atualmente à frente da empresa 3DRobotics, especialista em drones, e ainda a nova sensação do mundo dos negócios digitais, Shbuham Banerjee, de apenas 13 anos que fundou uma empresa no Vale do Silício.

Para que todo o trabalho desenvolvido pelos campuseiros, tanto do Brasil quanto dos outros países, possa ser discutido e aperfeiçoado durante todo o ano, a Campus Party lançou a plataforma campuse.ro, disponível a todos os participantes dos países onde o evento se realiza. “Queremos, por meio da tecnologia, melhorar o mundo, reescrever o código-fonte do planeta”, ressaltou Paco Ragageles, um dos fundadores do evento.

 

Anterior Dilma quer readequar concessão de telefonia para comportar banda larga
Próximos Ancine divulga lista dos projetos que vão receber R$ 14,8 milhões