Telefônica Vivo aguarda novo leilão de espectro sem muito apetite


A Telefônica Vivo não descarta a sua participação no novo leilão de vendas de frequências de 1,8 GHz, 2,5 GHz e 3,5 GHz prometido pela Anatel para este ano. Mas sua participação não deverá ser nada grande, afirmou  hoje,28, o presidente do grupo Amos Genish. Isto porque, explicou, a Anatel não deverá colocar à venda a única licença nacional de 700 MHz ainda disponível. E a maioria das sobras de frequências têm alcance regional ou serão vendidas por municípios.

Conforme explicou  Christian Gebara, Chief Revenue Officer, a empresa aguarda a definição, pela Anatel, das condições de participação no leilão, mas se forem mantidos os limites atuais, o grupo não pode mais comprar nem frequência de 1,8 GHz nem  de 2,5 GHz, pois já atinge o teto regulamentar, restando apenas a de 3,5 GHz, cuja compra dependerá do modelo do edital a ser lançado.

Anterior Genish: aumento do Fistel age contra a agenda social do governo
Próximos LG vende menos celulares e aposta em estratégia "dual" para recuperar terreno