Telefônica Brasil fica com o controle do Terra por R$ 250 milhões


A Telefônica Data, subsidiária integral da Têlefônica Brasil adquiriu as ações da Terra Network Brasil, que detinha o controle do portal Terra. Na semana passada, o portal comunicou o encerramento de suas atividades nos demais países onde estava presente, a exceção do mercado brasileiro

 

acordo-aperto-de-mao-negocio-cumprimentoA Telefônica Brasil comunicou hoje, 3, ao mercado, que adquiriu o controle do portal Terra, através de sua subsidiária Telefônica Data, por R$ 250 milhões, em uma única parcela. O desembolso será feito sem necessidade de financiamento, informa a empresa, pois contará com o próprio caixa da subsidiária.

O portal encerrou suas atividades em todas as praças onde atuava, à exceção do mercado brasileiro. O Terra, com 18 anos e que chegou a ser um dos endereços web mais visitados no início dos anos 2000, vai desativar serviços como notícias, correio eletrônico e chat, segundo anuncia em sua página na internet, na Espanha, nos Estados Unidos e em cinco países da América Latina: Argentina, Chile, Colômbia, México e Peru. Nesses países a operação do portal já era residual em receita. 90% do faturamento global da companhia, da ordem de 100 milhões de euros, são provenientes da unidade brasileira.

Segundo a operadora, essa aquisição tem o objetivo de ampliar e integrar as ofertas comerciais dos serviços digitais que podem agregar valor imediato à carteira de clientes. Pretende ainda criar sinergia com a base de clientes da Terra Network, na oferta de serviços da operadora de telecom. O negócio pretende também alavancar o segmento publicitário.

A operação não altera a estrutura acionária da operadora, nem está sujeito a autorização prévia de órgãos reguladores, já que a aquisição é de uma empresa de Internet – conhecida como OTT (empresas Over the Top). A compra foi precedida de auditoria financeira e legal e avaliação de empresa independente.

Anterior Oi esclarece plano de capitalização
Próximos Compra do Terra não leva Telefônica para a mídia, esclarece Navarro