Telefónica confirma GVT e Vivendi vira sócia da Vivo e da Telecom Italia


Operadora espanhola vai pagar 4,6 bilhões de euros em dinheiro e transferirá ao grupo francês 7,4% das ações de sua subsidiária no Brasil. Além de 5,7% dos papéis da Telecom Italia. Os acionistas minoritários terão direito de recesso.

Telefónica e Vivendi assinaram ontem contrato de compra e venda para aquisição do controle da GVT. A operadora espanhola vai desembolsar 4,6 bilhões de euros em dinheiro à vista. A Vivendi também vai receber 7,4% das ações da Telefônica Brasil, no valor de 2 bilhões de euros equivalentes ao preço das ações verificados ontem (em 18 de setembro), e 5,7% das ações da Telecom Italia no valor de 1 bilhão,resultado do preço dos papéis no mercado de ações na mesma data.

De acordo com comunicados divulgados pela Telefónica e Vivendi, a implementação do acordo está sujeita à aprovação da operação pelos órgãos reguladores: o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e Anatel. A companhia espanhola poderá financiar o pagamento da parcela em dinheiro com um aumento de seu capital social por meio de subscrição pública, cujos termos e condições serão oportunamente determinados.

A Telefónica informa, ainda, que as deliberações a respeito da transação conferirão aos acionistas da companhia delas dissidentes o direito de recesso. Neste sentido, informa que farão jus ao direito de retirada mediante o recebimento do respectivo valor de patrimônio líquido por ação, os acionistas titulares de ações ordinárias ou preferenciais de emissão da companhia nesta data. O valor por ação a ser pago em virtude do exercício do direito de recesso deverá ser divulgado quando for estabelecida a data da assembleia geral que deverá deliberar acerca da operação.

A compra da GVT foi confirmada após decisão da Vivendi, que preferiu a proposta apresentada pela operadora espanhola, em detrimento da negociação proposta pela Telecom Italia, no final do mês passado.

Anterior Larry Ellison, fundador da Oracle, renuncia ao cargo de CEO
Próximos Vivendi pode enfrentar os mesmos problemas da Telefônica no Cade