Telefonia móvel tem grande expansão, mas em 40% dos municípios não há competição.


 

Não dá para falar em universalização, mas o fato é que nos últimos dois anos, desde a venda de licenças da terceira geração da telefonia celular promovida pela Anatel, o serviço móvel tem se expandido fortemente no país. Conforme a Telebrasil (Associação Brasileira de Telecomunicações), entidade que congrega as empresas do setor, em setembro de 2011 99,9% dos municípios brasileiros eram atendidos pela telefonia móvel.

 

Mas se há considerável avanço na cobertura dos sinais, a competição não se dá no mesmo grau. Conforme os dados do estudo da Telebrasil (elaborado em parceria com a Teleco) 40,3% dos municípios brasileiros têm uma única prestadora de celular. São os pequenos municípios nesta condição, visto que eles somam apenas 9,4% da população.

 

Em 33,8% das cidades, que congregam 78,6% da população, a competição se dá entre quatro ou cinco operadoras.

 

No final do terceiro trimestre de 2011, havia no país 227,4 milhões de celulares, densidade de 116,6% e 34,5 milhões de acesso à banda larga móvel, sendo 27,2 milhões o aparelho 3G; e 7,3 milhões o modem de comunicação de dados.  (Em novembro, conforme a Anatel, já eram 236 milhões de celulares).

 

302 milhões


Já a telefonia fixa mantém-se estável, com 42,7 milhões de assinantes no terceiro trimestre deste ano, crescimento de 2,2% em relação ao mesmo período do ano passado. A banda larga fixa, por sua vez, continua com crescimento acelerado, de 16,2 milhões no mesmo período, quase 24% a mais em relação ao mesmo período de 2010.

 

Acrescentando-se os serviços de TV por assinatura, com 11,9 milhões de assinantes (crescimento de 31%) e os de trunking, com 3,9 milhões de clientes (aumento de 26%), chega-se a 302 milhões de acessos de telecomunicações em uso pelos brasileiros.

Anterior RIM rejeita oferta de compra da Amazon; Microsoft e Nokia também estariam estudando aquisição
Próximos A indústria está otimista com 2012, apesar da crise do euro.