Telefonia fixa segue em retração em janeiro


Oi se distancia da Vivo em participação de mercado. Juntas, as empresas são resposáveis por 67% dos acessos de telefonia fixa no país. Algar e TIM cresceram em janeiro, enquanto as concorrentes encolheram.

Foto por Markus Spiske, via Pexels https://www.pexels.com/photo/vintage-retro-telephone-telephones-105003/
Foto por Markus Spiske, via Pexels https://www.pexels.com/photo/vintage-retro-telephone-telephones-105003/

A telefonia fixa registrou mais um mês de perda de clientes em janeiro. As prestadoras desligaram no mês 68,3 mil linhas, ou, 0,17% do total. Há, ainda, 40,7 milhões de assinantes, sendo 17,14 milhões das operadoras que funcionam em regime de autorização, e 23,54 milhões de linhas em funcionamento das concessionárias. Em um ano, o setor encolheu 2,75%, equivalente a 1,2 milhão de acessos.

Os dados foram divulgados hoje, 2, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em janeiro de 2018, as autorizadas tiveram um aumento de 26,1 mil linhas (+0,15%) e as concessionárias, redução de 94,4 mil (-0,40%). Já em relação a janeiro de 2017, os dois grupos apresentaram queda, de 54,5 mil (-0,32%) e de 1,1 milhão (-4,4%) respectivamente.

Competição

Como a retração é comum a todas as empresa, praticamente não houve alteração na concentração do mercado fixo. A maior empresa do setor, em relação ao número total usuários no Brasil, continua a ser a Telefônica, com 34,66% de market share.

A Oi se distanciou da rival, após perder participação em 1,15 p.p., passando a deter 32,99% da base nacional de telefonia móvel. A Claro (Net e Embratel) terminou janeiro com 26,64% de share, 0,22 p.p. maior que em janeiro de 2017. A Algar tinha 2,70% da base, e a Telecom Italia, 1,80%. Ambas cresceram.

Grupo Acessos Jan 2017 Acessos Jan 2018 Market Share Jan 2017 Market Share Jan 2018
ALGAR (CTBC TELECOM) 987.456 1.099.386 2,36% 2,70%
BT 4.628 3.970 0,01% 0,01%
CABO 37.007 36.309 0,09% 0,09%
CLARO BRASIL 11.054.405 10.840.715 26,42% 26,64%
OI 14.283.978 13.422.503 34,14% 32,99%
Outras 186.476 192.067 0,45% 0,47%
PREFEITURA DE LONDRINA/COPEL 262.612 260.816 0,63% 0,64%
TELECOM ITALIA 685.276 731.398 1,64% 1,80%
TELEFÔNICA 14.340.239 14.104.334 34,27% 34,66%
Total 41.842.077 40.691.498  Fonte: Anatel

Operadoras

Como autorizada, a Tim liderou o crescimento, com aumento de 54,9 mil linhas fixas (+8,12%), no primeiro mês do ano em comparação a dezembro de 2017. A Algar Telecom registrou mais 7,4 mil (+2,21%) e a Oi mais 1,1 mil (-0,66%).

A maiores reduções ocorreram na Claro, menos de 32,6 mil (-0,30%) e na Vivo, menos 6,6 mil linhas (-0,14%). Entre as concessionárias, a Algar foi a única que apresentou aumento, 1,8 mil novas linhas (+ 0,24%). A Oi teve 73,3 mil linhas a menos (-0,55%), seguida da Vivo, menos 21,9 mil (-0,23%), e da Sercomtel, menos 1,0 mil (0,56%).

Nos últimos 12 meses, entre as autorizadas a Algar apresentou o maior aumento de linhas fixas em operação, mais 89,3 mil (+35,37%), seguida pela Tim, mais 46,1 mil (+6,73%), e Vivo, mais 13,6 mil (+0,29%). As maiores reduções ocorreram na Claro, menos 213,8 mil linhas (-1,93%), na Cabo, menos 0,7 mil (-1,89%), e na BT, também menos 0,7 mil (-14,22%).

Entre as concessionárias, apresentaram crescimento no ano: a Algar com 22,6 mil unidades (+3,07%) e a Claro com 0,1 mil (+5,76%). As reduções foram registradas na Oi, menos 864,8 mil linhas (-6,12%), na Vivo, menos 249,5 mil linhas (-2,60%), e na Sercomtel, menos 4,5 mil (-2,55%).

 

[Errata: Os números de market share originalmente apresentados nesta reportagem estavam errados. Ao contrário do afimado, a Oi perdeu mercado, enquanto as concorrentes, ganharam. Os dados foram corrigidos. A tabela foi acrescentada para melhor demonstrá-los.]

Anterior Anatel confirma troca de posição orbital para SES DTH do Brasil
Próximos Equifax assume custos de US$ 200 milhões com ciberataque do ano passado

2 Comments

  1. Ricardo Albuquerque
    4 de Março de 2018

    Que matéria mal escrita. Ou não sabem matemática ou não sabem descrever suas ideias. Os números soltos não fazem o menor sentido.