Telecom Italia anuncia fim da influência da Vivendi na direção da empresa


TeleSintese-Cadeiras-Posicao-Lugar-roda-circulo-assento-marcado-escolhido-selecionado-reuniao-Fotolia_140362286

A Telecom Italia, dona da TIM Brasil, comunicou ao mercado nesta quarta-feira (16) que a Vivendi, definitivamente, não exerce mais influência sobre os rumos da operadora. O único diretor remanescente da empresa francesa em posição de liderança é Amos Genish – ex-Telefônica Vivo – que permanece como CEO.

Outros executivos apontados pela Vivendi para cargos no comitê de estratégia, no comitê de controle de riscos, ou no comitê de nomeação e remuneração foram substituídos pelos conselheiros independentes indicados pelo fundo Elliott e que já tinham assumido o board no começo de maio. Mesmo restando cinco conselheiros indicados pela companhia francesa, eles têm votos insuficiente para superar a chapa que assumiu a companhia.

“A nova composição dos comitês, suas deliberações sobre questões de governança e as economias quanto à remuneração da diretoria confirmam o processo iniciado pelo conselho para a transformação da Telecom Italia em uma companhia pública, focada em obter os resultados divulgados ao mercado”, diz Fulvio Conti, presidente do conselho.

O grupo italiano divulgou hoje seus resultados financeiros referentes ao primeiro trimestre do ano.

Anterior MDIC critica proposta de redução do imposto de importação para TIC e bens de capital
Próximos Especialista diz que regulamentação de criptomoeda é ineficaz

1 Comment

  1. reinaldo
    16 de Maio de 2018

    Esse Amos Genish é brincadeira… Ele que liderou a venda da GVT para Vivo seduzido no upgrade de ser “CEO” de uma empresa maior, ai a Vivendi vende uma operadora GVT para alguns anos depois comprar a TIM e ele volta a ser CEO depois de ser expelido da Vivo e agora provavelmente será expelido de novo… Se ele não tivesse feito aquilo ainda seria CEO e provavelmente a GVT seria a segunda maior operadora do Brasil pelo nível de investimento, deixando claro que ele deixou explicito sua liderança no convencimento da GVT a aceitar a proposta da Vivo de compra e por isso que foi colocado como presidente da Vivo, como prêmio pela boa “ação”… Não deu 2 anos e puxaram o tapete dele na Vivo, tanto que ele até saiu da empresa e volta a Vivendi que o nomeia para ser o nome CEO da TIM Brasil, o episódio de franquia da Vivo, o nome da marca saiu muito chamuscado e meio que jogaram para ele a responsabilidade por isso.