Telecom, internet e política industrial de TIC podem ficar no Ministério da Economia


Enquanto avançam os nomes do futuro governo Bolsonaro para os cargos do mercado financeiro e estatais, ainda não está claro, porém, qual a configuração do novo governo para os setores de infraestrutura, indústria e comércio, e as novas tendências da economia digital, como internet, políticas de compras, software, games, blockchain, indústria 4.0 e o uso de dados.

Mas já há estudos, formulados pela equipe que assessora Paulo Guedes, o super poderoso ministro da Economia do próximo governo,  para integrar e unificar a maioria dessas competências nesse já super ministério.

O estudo já entregue ao ministro propõe que as secretarias de Telecomunicações e de Políticas Digitais (a antiga Sepin) deixe o MCTIC e se integre ao Ministério da Economia. Iriam também para essa nova estrutura  do Ministério da Economia as secretarias de Produtividade, atualmente no Ministério da Fazenda. Seriam também aglutinadas  a secretaria de Comércio e Serviços, secretaria  de Inovação e Novos Negócios,  e a secretaria de Desenvolvimento e Competitividade Industrial, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Com essas alterações imagina-se que haveria menos resistências do setor industrial ao fim da pasta que cuida de seus interesses, pois eles passariam a ser tratados diretamente pelo ministro mais poderoso do futuro governo; e a pasta da Ciência e Tecnologia, que perderia todas as áreas relacionadas à política pública de telecom e  política industrial de hardware, software e internet, ficaria mais focada ao estímulo ao desenvolvimento da pesquisa básica e tecnológica.

Anterior Telefónica pode vender operações no México e América Central
Próximos PLC 79 recebe 19 emendas de plenário