Telebrasil afirma que preço da banda larga móvel do país é um dos mais baixos do mundo


O preço médio de plano de entrada da banda larga móvel pré-paga no Brasil é de US$ 5,3, já considerada a carga tributária brasileira, segundo menor entre os praticados em 15 países de maior densidade demográfica do mundo pesquisados. Só é maior do que é cobrado na Índia, de US$ 1,7, conforme indica o estudo Desempenho Comparado de Preços de Banda Larga, divulgado nesta quarta-feira (8), pela Telebrasil, em parceria com a consultoria Teleco.

A exemplo do que ocorre com as tarifas de voz dos celulares, o valor obtido  no estudo  é bem diferente do que o calculado pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), que chegou, no ano passado, a um preço médio de US$ 35,8. Para chegar a esse valor, o Telebrasil considerou 300 MB de consumo e velocidade abaixo de 1 Mbps. No caso da cesta da UIT, a velocidade considerada é acima de 1 Mbps.

Na banda larga pós-paga, a cesta brasileira custa US$ 11,6, com os impostos. Segundo o diretor executivo da entidade, Eduardo Levy, o preço baixo do serviço permite o brasileiro consumir cada vez mais internet móvel. “Já são 147 milhões de assinantes, na velocidade de 1,8 novo acesso ativado por segundo e que já representa 85% dos usuários de banda larga no país”, disse.

Para Levy, a grande procura pela banda larga móvel é uma prova de que é desnecessária a ideia do governo de levar fibra óptica para todas as cidades brasileiras. “O que o usuário quer é mobilidade e o avanço das tecnologias garantirá mais velocidade a essas conexões”, disse.

Na banda larga fixa, o preço apurado foi de US$ 13,2 com impostos, o terceiro menor entre os valores cobrados pelo serviço em 18 países. Para o cálculo foi considerado um consumo mínimo de dados de 1 GB, com velocidade de download acima de 1 Mbps.

Os países analisados foram Argentina, Chile, Colômbia, Peru e México, na América Latina. Rússia, Índia e China, entre os países do BRIC. Austrália, Coréia do Sul e Japão, na Ásia. Estados Unidos e os países europeus Espanha, França, Itália, Portugal e Reino Unido. No caso da banda larga móvel pré-paga, os preços da Argentina, Coréia do Sul e Japão não foram analisados porque não oferecem esse serviço. Segundo a Telebrasil, o estudo adotou como preço de referência para o país o preço da prestadora líder divulgado em seu site.

Anterior Saída de Bava derruba ações da Oi
Próximos Tim nega contratação do Bradesco para comprar Oi, mas diz que banco analisa alternativas