Telebrás pode ser reativada em agosto, alerta Paulo Bornhausen.


O deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC) tem pressa em marcar a audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara para debater a reativação da Telebrás (Telecomunicações Brasileiras), holding que controlava as operadoras de telecomunicações privatizadas em 1998. Ele disse que tem informações de que o governo pretende reativar a empresa já no mês de …

O deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC) tem pressa em marcar a audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara para debater a reativação da Telebrás (Telecomunicações Brasileiras), holding que controlava as operadoras de telecomunicações privatizadas em 1998. Ele disse que tem informações de que o governo pretende reativar a empresa já no mês de agosto, o que poderá causar desequilíbrio no mercado.

O requerimento pedindo a realização da audiência, que discutirá a prestação de serviços de telecomunicações, terceirizados ou não, para o governo e empresas públicas e estatais, foi aprovado pela comissão na semana passada, mas ainda não tem data para acontecer. Segundo Bornhausen, o serviço de telefonia para o governo vem sendo prestado pela iniciativa privada, por meio de licitação. Ele teme que, com reativação da Eletronet (backbone de fibra ótica) e, principalmente, da Telebrás, esses serviços passem a ser prestados pelas estatais, sem necessitar de processo licitatório. “Seria uma intervenção desproporcional no mercado”, disse.

Em seu requerimento, o deputado alerta que o artigo 173 da Constituição estabelece a exploração de atividade econômica pelo Estado somente quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo. “É dever do Poder Legislativo avaliar quais seriam as vantagens e desvantagens para o país do retorno do governo central a essa atividade, analisando custos e competitividade”, argumenta.

Bornhausen quer saber, entre outras coisas, se haverá algum impacto na geração ou manutenção de empregos, tanto públicos quanto privados, com a reativação dessas empresas. Ele se diz preocupado também com a qualificação dos trabalhadores e qualidade dos serviços que poderiam ser prestados. A audiência pública ainda não tem data marcada.

Há alguns anos, setores do governo defendem a reativação da Telebrás, com a incorporação da  Eletronet, empresa criada numa associação entre a americana AES e a Eletrobrás e que se encontra em processo de falência, que corre na Justiça Estadual do Rio de Janeiro. A Eletronet opera uma rede de fibras ópticas de 16 mil quilômetros, presente em 18 Estados brasileiros, com expectativas de aumentar o backbone em mais cinco mil quilômetros. A Justiça já deu uma sentença favorável ao governo, mas ainda julga  recurso.

Este ano, a Telebrás recebeu um aporte de R$ 200 milhões, com o objetivo de reequilibrar suas contas. Agora há informações de que o governo pretende recompor o quadro de funcionários da estatal. A maioria dos servidores está cedida à Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), mas há servidores da Telebrás em diversos outros órgãos federais.

Anterior Governo estuda uso do WiMAX no canal de retorno da TV digital
Próximos Edital de compra de kits para telecentros será divulgado em audiência pública