Tecnologia vai descarregar voz e SMS automaticamente em rede Wi-Fi


 

A Syniverse – fornecedor de soluções de rede, roaming e messaging – está negociando com uma operadora de serviços de telecomunicações brasileira a venda de uma solução para offload do tráfego de voz e SMS via Wi-Fi. O sistema funciona automaticamente: o programa avalia a rede Wi-Fi disponível e, desde que essa atenda aos requisitos, aciona o descarregameto na rede alternativa. Assim, o usuário falaria por um sistema de voz sobre IP, sem perceber.

“As pessoas passam a maior parte do tempo em casa ou no trabalho. Nestes dois local, em geral, há conexão Wi-Fi. O nosso sistema para offload em Wi-Fi, o WiTT, permite usar este recurso automaticamente para descarga de voz e torpedos”, explica Pablo Milkota, vice-presidente senior da Syniverse para a América Latina e Caribe.

A solução adequada apenas para instalação em dispositivos móveis com sistema operacional Android, do Google, já está sendo testada no Brasil, diz ele, e chegará ao consumidor final apenas no final de 2013, antes da Copa do Mundo.

A Syniverse acredita que o WiTT é bastante atraente para as operadoras porque, além de ampliar a capacidade da rede, ainda ajuda a monetarizar os pontos Wi-Fi, uma vez que usuários em roaming internacional podem descarregar voz e SMS em Wi-Fi, o que implicaria a possibilidade de custos e, portanto cobranças, menores.

O momento de anúncio de investimento em redes Wi-Fi pelas companhias também anima o executivo. A Oi Comprou a VEX, a TIM promete 10 mil pontos Wi-Fi em áreas de grande circulação de pessoas até o final de 2012 e fechou um acordo com a Linktel. A América Móvil (Claro, Embratel e NET) também pretende tirar do papel um plano de investimento na tecnologia, mas ainda não divulgou números.

Roaming internacional, Copa e Brasil

O roaming internacional é uma das áreas de maior atuação da companhia, que realiza acordos entre operadoras ao redor do mundo. Agora, com a aproximação da data de realização de grandes eventos esportivos mundiais no Brasil, pretende ampliar sua atuação no país do futebol.

Há seis anos com atuação no Brasil e 20 na América Latina, a Syniverse não divulga o faturamento na região, mas garante que o crescimento no último ano foi de 25%, em relação a 2010.

Agora, para aproveitar o bom momento para o setor de telecomunicações no país e avançar enquanto as operadoras – estrangeiras e brasileiras – precisam ampliar os acordos de roaming internacional, a Syniverse avalia ter estrutura própria no país. “Com o potencial de negócios que há no Rio de Janeiro e São Paulo, podemos investir em um data center próprio já em 2013”, afirma Milkota. Há tempo para a Copa do Mundo.

 

Anterior Teles pedem estabilidade regulatória para crescer
Próximos Inscrição para audiência sobre TV paga no STF encerra-se nesta sexta