TCU vê indícios de infração à norma legal no episódio da suspensão da venda de chips pela Anatel


Tribunal reitera a determinação de apuração de responsabilidade dentro da agência, além de reafirmar outras determinações para adequar a gestão da qualidade do serviço móvel

O Tribunal de Contas da União negou recurso da Anatel contra determinação de abrir processos para apuração de responsabilidade pelo fato de a agência não ter aplicado as sanções previstas pelo não comprimento pelas três operadoras móveis – Oi, TIM e Claro – dos planos de melhorias de qualidade, aprovados em decorrência da medida cautelar que suspendeu a venda de novas linhas, em 2012. A exigência fez parte do resultado de monitoramento da qualidade da telefonia móvel, aprovado pelo TCU em 2016.

As sanções previam inclusive a retomada da suspensão das vendas de chips. A decisão do TCU se baseou no resultado da auditoria, que constatou o não cumprimento dos planos, dos investimentos previstos e até do descumprimento, pelas prestadoras, da proibição da venda de linhas, que durou 11 dias. A própria Anatel reconheceu o não atingimento de todas as metas em despacho, mas preferiu converter as sanções em processos administrativos.

O TCU afastou os argumentos da Anatel, inclusive o que afirmava que não foi praticado ato infracional nem grave infração à norma legal ou regulamentar de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional ou patrimonial, portanto não se sustentaria a constituição de autos apartados para apuração de responsabilidade, por ausência de fato que a fundamente. A agência entende que não seria cabível a apuração de responsabilidade, uma vez que as motivações dessa decisão teriam sido desconstituídas pela fundamentação recursal. Para o TCU, no entanto, paira a avaliação de que houve “grave infração à norma legal” no episódio.

“Observa que, quando da determinação de suspensão da comercialização e ativação de acessos do SMP em face das operadoras (Tim, Claro e Oi) pelos Despachos 4.783/2012,
4.787/2012, 4.789/2012, teria sido também prevista a hipótese de revogação da medida, caso a Anatel aprovasse os Planos de Melhoria apresentados pelas Prestadoras”, sustenta o TCU, no acórdão aprovado na semana passada. Todavia, diz o órgão de controle, a Anatel veio a declarar o cumprimento parcial dos despachos de
2012 do Plano de Melhoria de Qualidade para todas as operadoras, “sem ter formalizado ou tornado transparente quais aspectos teriam sido descumpridos nem quantificado o grau de descumprimento de cada operadora”, argumenta.

Determinações e recomendações

O TCU manteve também a maioria das determinações exarada em 2016, mas retirou duas delas, acatando parcialmente o recurso da Anatel. As determinações que estão em vigor são:

1. Que a Anatel dê, no prazo de 90 dias, publicidade à motivação da escolha dos indicadores divulgados pela agência em seus canais de comunicação;

2. Que estabeleça, no planejamento e na execução da pesquisa de satisfação do usuário e da qualidade por ele percebida, medidas que visem reduzir a ocorrência dos problemas apresentados nas pesquisas passadas, bem como critérios e procedimentos destinados a utilizar efetivamente os resultados obtidos nas pesquisas com ações concretas de controle e de melhoria da qualidade do serviço móvel pessoal (SMP) alinhadas com a percepção do usuário;

3. Que apresente, no prazo de 90 dias, um plano de ação contendo um calendário de fiscalizações periódicas acerca do cumprimento, por parte das operadoras, das obrigações regulamentares e das disposições legais referentes a cobrança e faturamento dos serviços de SMP, incluindo a fiscalização dos tipos de problemas mais reclamados na agência;

4. inclua, no prazo de 90 dias, no processo de revisão do modelo de gestão de qualidade do SMP, em andamento na agência, avaliação quanto: ao volume excessivo de indicadores; à viabilidade de se mensurar os indicadores de forma fidedigna; à sobreposição de atividades de fiscalização e controle da qualidade do serviço de telefonia móvel; e à necessidade de fiscalização periódica dos processos de extração dos indicadores, incluindo aqueles extraídos pela Entidade Aferidora da Qualidade (EAQ);

5. elabore, no prazo de 90 dias, estudo para avaliar a adequação e atualidade do parâmetro mínimo de cobertura do serviço de telefonia móvel definido pela agência e exigido das operadoras, levando em consideração variáveis que podem impactar na satisfação dos usuários, como densidade populacional da área atendida, regiões de maior relevância para o município e possíveis pontos estratégicos para a localidade, dando a devida publicidade e transparência à análise realizada e suas conclusões;

6. adote, no prazo de 120 dias, ações de fiscalização periódica na atuação da Entidade Aferidora da Qualidade (EAQ), ou de qualquer entidade que venha a substituí-la no processo de extração e cálculos dos indicadores de qualidade, buscando mitigar as fragilidades técnicas, operacionais e metodológicas existentes no atual processo de medição e divulgação da qualidade de dados no SMP.

O TCU ainda recomendou que a Anatel:

1. Amplie a fiscalização sobre a divulgação e o cumprimento das ofertas de planos e promoções pelas operadoras aos usuários, com vistas a assegurar transparência aos usuários dos serviços de SMP e a garantir o cumprimento, pelas operadoras, do disposto na regulamentação;

2. estabeleça e formalize os requisitos mínimos a serem cumpridos pelas operadoras na divulgação dos mapas de cobertura na internet, com vistas a aumentar a efetividade desse instrumento de consulta voltado para o usuário;

3. se manifeste e atue de forma tempestiva em casos de conflito ou controvérsias quanto à utilização e à prestação dos serviços de telecomunicações entre os atores do setor, considerando as posições desses atores e as questões técnicas, econômicas e jurídicas que possam impactar na prestação do serviço, com vistas a ampliar a transparência e efetividade da atuação da agência e, assim, reduzir a possível judicialização das questões;

4. adote medidas tanto para incentivar a atuação proativa das operadoras para a diminuição e a resolução efetiva dos problemas acerca de cobrança e faturamento reclamados na agência como para dar publicidade e transparência às informações relacionadas a esses problemas, com vistas à proteção do usuário e ao cumprimento da legislação vigente;

5. inclua, no processo de revisão do modelo de gestão de qualidade do SMP, atualmente em curso na agência, avaliação quanto ao número de procedimentos existentes, adoção de metas de qualidade sedimentadas e adequação do IDA.

6. reavalie o escopo e a operacionalização do seu Centro de Monitoramento de Redes de Telecomunicações, analisando se as informações exigidas das operadoras pela agência reguladora não extrapolam a Resolução-Anatel 656/2015;

7. caso haja assinatura de termos de ajustamento de conduta ou de compromissos de atendimento a medidas cautelares, planeje-se para que os esforços de controle e fiscalização necessários para o acompanhamento e a eventual sanção das obrigações previstas nesses instrumentos possam ser tempestivamente realizados e concluídos, com vistas a garantir a efetividade da utilização desses instrumentos pelo órgão regulador na busca da melhoria da qualidade para os usuários dos serviços de telecomunicações.

Anterior Angola Cables faz acordo com FiberLight para vender capacidade do cabo Monet nos EUA
Próximos Kassab diz que Correios precisam cortar custos, ou serão privatizados

1 Comment

  1. Indignado
    13 de Março de 2018

    Ora,ora, a Anatel preside o cartel das teles nesse país, onde seus administradores ali estão pelas mãos do imenso, avassaldor poder econômica do cartel. De resto é tudo um simulacro de democracia, de república.