Tanure nega, com veemência, que pretende derrubar diretoria da Oi


TeleSintese-Queda-de-Braco-batalha-conflito-embate-disputa-forca-competicao-esforco-Fotolia_105507299

O empresário Nelson Tanuare, um dos controladores da Oi, e que detém importante participação no Conselho de Administração da operadora, nega “com veemência”, que o conselho tem qualquer reunião marcada para destituir a diretoria e que ele pessoalmente teria qualquer resistência aos atuais diretores. “Tenho um grande respeito pelo presidente da Oi, Marco Schoereder, e toda a sua diretoria”, afirma o executivo.

O polêmico documento que seria o motivo para provocar a possível demissão dos executivos – o que motivou a Anatel a ameaçar com intervenção  na concessionária = refere-se ao Plan Support Agreement (PSA) que teria sido obtido pelo conselho de Administração da Oi junto com um grupo de bondholders que apoiam o empresário brasileiro – conhecido como G6 -.

Conforme fontes do governo, essa parcela de bondholders estaria disposta a aplicar  mais recursos na operadora brasileira, mas estaria cobrando a sua comissão antecipada, o que é fora da prática usual do mercado, provocando a resistência dos atuais diretores da Oi em aceitar a oferta.

Segundo fontes vinculadas a Tanure, não há e nunca houve a intenção do conselho de administração em demitir os seus executivos. O máximo que poderá acontecer é a diretoria enviar uma proposta com novos termos de acordo. “Não há hipótese de ameaça de destituição da diretoria se não chancelarem o PSA a ser assinado pelos bondholders”, afirmam fontes próximas ao executivo.

Anterior Grupo espanhol Telefónica tem queda de 14,7% nos lucros
Próximos Prejuízo da Nokia cresce 43% em um ano

3 Comments

  1. João Fontes
    26 de outubro de 2017

    Onde há fumaça há fogo.
    Ele tem tanto respeito pelo presidente que não foi capaz nem de mencionar seu nome corretamente: ele se chama Marco e não Marcos…

  2. Erick
    26 de outubro de 2017

    Tanure, a figura chave…

  3. 26 de outubro de 2017

    Tanure! O maior abutre do mercado de capitais.