Notícias com o tag

société mondiale


Operadora encaminhou o pedido para aprovação da Justiça, que impediu recentemente a interferência de acionistas na recuperação. Caso aprovada, convocação prevê assembleia feita já neste mês.

Em nota repleta de ataques pessoais ao presidente da Oi, o fundo ligado a Nelson Tanure reclama da previsão de prejuízo recorrente da Oi por mais sete anos.

Em despacho, o Ministério Público do Rio de Janeiro não acabou pedido de adiamento da assembleia, mas mencionou pontos que considera problemáticos no PRJ.

Operadora rebate acusação de acionista minoritário, de que haveria desrespeito à Lei de Recuperação Judicial e à Lei das SA. Afirma que o plano a ser votado nesta terça-feira, 19, é equilibrado e garante investimentos futuros para a companhia recuperar competitividade.

Para o fundo, representado por Nelson Tanure, o plano da Oi não tem a peça fundamental: o documento de garantia de que haverá, mesmo, dinheiro novo

Designed by Alekksall / Freepik

Société Mondiale, do investidor brasileiro, diz que Aurelius quer realizar uma aquisição hostil da Oi e tenta “turbar” a recuperação judicial da operadora.

O Société Mondiale, fundo do brasileiro Nelson Tanure, enviou representação à Anatel na qual diz que o fundo Aurelius é controlador da Nextel Brasil. Em caso de troca de dívida da Oi por equity, haveria sobreposição de controle de empresas de telecomunicações. [Atualizado]

Companhia afirma que plano não trazia compromissos e nem era vinculante. Société Mondiale questiona argumento dos bondholders, de que seriam maioria na assembleia geral de sexta-feira, 10.

Designed by Onlyyouqj / Freepik

Hélio Costa, integrante do conselho de administração por indicação do fundo Société Mondiale, de Nelson Tanure, e João Ribeiro, nomeado na cota da Pharol, passam a fazer parte também da diretoria estatutária da Oi. Bondholders reagem, acusam manobra de “violação dos padrões de governança corporativa”.

O fundo Société Mondiale, liderado pelo empresário brasileiro Nelson Tanure, volta a acusar os bondholders (credores estrangeiros) de “fundos abutres”, de tentarem manipular o governo e de querer a falência da Oi. Em outra frente, esses mesmos credores anunciaram que avançaram as negociações com os diretores da empresa (e não acionistas) na formulação de um novo plano de recuperação judicial.