Notícias com o tag

leilão da Anatel


Foram cumpridas as metas em 16 cidades como Porto Alegre, Brasília, Porto Velho e Campinas

Agência busca formas de incentivo aos pequenos provedores e poderá permitir o pagamento de pequenos lotes com cartão de crédito

As licitações de 4G obrigam as operadoras a comprarem um determinado percentual,por ano, de equipamentos e serviços com tecnologia nacional. Agora, elas têm que prestar contas.

A Anatel retomou hoje,16, o leilão de venda de sobra de frequências de 1,8 GHz, e 2,1 GHz em TDD e FDD com a divulgação da lista das empresas sem problemas de documentação e com problemas a serem resolvidos antes da confirmação de todos os vencedores. As proponentes dos lotes A e B foram declaradas habilitadas pela Anatel, pois não apresentaram problemas de documentos (são as grandes empresas Claro, Vivo, Nextel e TIM). Mas na disputa pelo lote C, das 342 pequenas empresas que participaram apenas 30% conseguiram se habilitar. As demais serão convocadas para apresentarem a documentação correta.

O leilão arrecadou no total R$ 852 milhões. Na banda C, que vendeu faixa para a banda larga fixa, foram arrecadados R$ 89,9 milhões.

O conselho da Anatel aprovou o pleito da operadora, que alegou ter outra faixa para prestar o serviço e quer liberadas as garantias.

A Anatel autorizou o resgate de garantias do leilão de frequência realizado em 2010

“O leilão superou as expectativas”. Com essa avaliação, o presidente da Anatel João Rezende, apresentou hoje,21, os números (quase) finais do leilão de faixas de 1.800 MHz, 2.500 MHz (em FDD e TDD) e 1.900 MHz em (TDD), realizado na semana passada. Com a venda dos lotes A e B (faixas de 1,8 GHz e 2,5 GHz em FDD) a agência arrecadou R$ 762,6 milhões. Com a venda do lote C (faixas em TDD municipais), foram arrecadados mais R$ 89,9 milhões – ágio médio de 99,4%.

A Sky, sua subsidiária perdeu todas as disputas por frequências em São Paulo e cidades próximas de Brasília.

A Anatel divulgou hoje, 18, no final da tarde, a lista das empresas pré-qualificadas para levar as quatro bandas que estavam à venda no Lote C de seu leilão, que foram divididas por municípios brasileiros. Apenas o estado do Acre não teve proposta. Para o presidente da Anatel, João Rezende, este lote foi o ponto alto da licitação, pois mais de 50% dos municípios brasileiros despertaram o interesse dos investidores