Suspensão de conselheiros de Pharol e Société Mondiale na Oi vai até aporte de R$ 4 bi


Juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, diz que decisão tomada em março não se referia apenas à fase de diluição dos acionistas, mas até a conclusão da entrada de dinheiro novo na Oi.

O juiz Fernando Viana, responsável por julgar o processo de recuperação da Oi no TJ-RJ, decidiu manter a suspensão dos direitos políticos de conselheiros e diretores da Oi ligados à Pharol e ao fundo Société Mondiale, de Nelson Tanure.

O magistrado respondeu a pedido da Oi para restaurar os direitos dos conselheiros, representantes de acionistas que já foram diluídos na sociedade após a conversão de dívida em capital social pela operadora – uma das etapas da recuperação judicial.

Segundo Viana, na sentença emitida em março deste ano, sua intenção era manter suspensos os direitos políticos não apenas até a conversão da dívida em equity, mas até o aporte de capital novo na Oi, no montante de R$ 4 bilhões.

“O aumento de capital com a diluição dos acionistas originários foi uma etapa. A segunda etapa, e de extrema relevância, é o aumento de capital com o aporte do dinheiro novo. Até que isso aconteça, a decisão de suspensão permanece inalterada”, escreve o juiz, na decisão publicada na segunda-feira (10).

Prejuízo na Pharol

Além da decisão negativa da Justiça brasileira, os acionistas da Pharol também receberam outra notícia negativa nesta semana. A companhia divulgou os resultados financeiros, com um prejuízo de € 2,8 milhões no primeiro semestre do ano, ante lucro um ano atrás.

Anterior Cade abre consulta para seu regimento interno
Próximos Quais metrópoles brasileiras têm LTE mais disponível?

1 Comment

  1. Wellington Menelli
    23 de setembro de 2018

    Nao faz o menor.sentido a intromissao de um juiz na administraçao de uma empresa de capital aberto, esse juiz fernando viana está tomando partido dos credores abutres e interferindo na empresa permitindo que os mesmos tomem de assalto a administracao e controle da empresa.

    O objetivo é diluir e prejudicar os atuais acionistas e por tabela o mercado de K do Brasil, quem terá coragem de investir em empresas ou na bolsa como minoritário de uma empresa onde até mesmo os sóciios maioritários sao postos para fora da administracao por credores abutres com a ajuda de um juiz parcial?
    Isso provoca total descrédito do mercado de k.
    O próximo passo será uma capitalizaçao enorme para diluir ainda mais os já quebrados acionístas minoritários em favor de corporaçoes de vancos abutres.