Sun vai vender licenças da MySQL


Sem abandonar o open source, a Sun Microsystems quer mostrar ao mercado as vantagens da versão comercial das soluções criadas pela MySQL, empresa desenvolvedora de banco de dados aberto e também comercializado por licenciamento, adquirida em janeiro deste ano pela companhia de soluções de infra-estrutura de tecnologia. O anúncio oficial da aquisição – por US$ …

Sem abandonar o open source, a Sun Microsystems quer mostrar ao mercado as vantagens da versão comercial das soluções criadas pela MySQL, empresa desenvolvedora de banco de dados aberto e também comercializado por licenciamento, adquirida em janeiro deste ano pela companhia de soluções de infra-estrutura de tecnologia. O anúncio oficial da aquisição – por US$ 1 bilhão – foi feito hoje pela manhã, em São Paulo, em entrevista coletiva realizada na abertura da sexta edição brasileira do evento Sun Tech Days, que termina na quarta-feira.

“Nós entendemos que dentro do modelo corporativo vai chegar um momento em que o cliente precisará fazer a aquisição [da licença],” comenta Rodolfo Fontoura, presidente da Sun Microsystems do Brasil. O vice-presidente do grupo que administra o MySQL, o finlandês Kai Arnö, que veio ao Brasil para o anúncio oficial da aquisição, indicou como vantagens da assinatura ter disponíveis cronogramas de atualização mais freqüentes e acesso a softwares adicionais que não são open source.  

Entre abril e junho deste ano, Arnö conta que houve um crescimento de 44% nas vendas de licença em comparação com o mesmo período de 2007. Entretanto, o executivo diz que não tem elementos para afirmar se existe uma relação direta entre esse fato e a aquisição da empresa. Segundo ele, a média diária de download  do MySQL era de 50 mil no ano passado. Esse número saltou para 70 mil após a aquisição e permanece estável. Pela contagem de downloads, a estimativa é de que sejam 10 milhões de usuários de MySQL no mundo (sem a separação entre open source e contratos).

De acordo com Arnö, a estrutura da MySQL no Brasil contará com três a quatro pessoas na equipe de vendas, duas no apoio e outras duas na área de consultoria. “Não será uma estrutura independente”, salienta Fontoura. “Será uma linha de negócios que a Sun vai incluir na sua estrutura.”  A intenção é trabalhar com os canais de MySQL já existentes no Brasil antes da aquisição e identificar outros clientes potenciais para trazê-los ao negócio.

A propósito, o país é visto como um mercado de alto consumo, já que é o segundo em crescimento entre os países categorizados como emergentes pela empresa. A classificação conta também com América Latina, Rússia, Índia, China e Leste Europeu. “O Brasil certamente está no foco da Sun”, diz Fontoura. Segundo ele, em 2007, houve um crescimento de 28% nos negócios no Brasil em relação ao ano anterior.  
 

Anterior NEC se incorpora ao trial da quarta geração móvel
Próximos TIM reforça a disputa do SMS mais barato