Startup aluga carregador móvel para abastecer celular


Pontos de entrega podem ser customizados com a marca do estabelecimento / Foto: reprodução de vídeo

“Bateria carregada onde e quando você precisar!”. É o lema da EnergyGo, startup  que promete resolver o velho e constante dilema da bateria descarregada dos smartphones, tablets e outros dispositivos portáteis. Funciona como o aluguel de bicicletas, que já é comum em diversas cidades do Brasil. O usuário abre um aplicativo, seleciona um ponto de entrega, a exemplo de lojas da Oi, e paga um valor determinado para utilizar o carregador móvel, inclusive podendo circular com ele para outros lugares e devolvê-lo em outro ponto, também indicado no aplicativo.

Idealizada em 2016 e fundada dois anos depois, a empresa já conta com  7 mil usuários, 32 terminais no Rio de Janeiro e 1 em São Paulo. Foi uma das sete finalistas do primeiro ciclo de seleção promovido em 2018 pelo Oito, o braço de empreendedorismo digital da operadora, que foi instalado no Rio de Janeiro no início do ano passado. “A ideia é chegar a 300 mil usuários ao final deste ano, com 200 terminais no Rio e 200 em São Paulo”, projetou um dos fundadores da empresa, o engenheiro de produção Victor Gomes. O outro fundador é Pedro Tauk, engenheiro de telecomunicações. “A proposta de oferecer mobilidade de carregamento resolve problemas, principalmente o de você não precisar ficar parado, aguardando a carga”, explicou Gomes.

A utilização é simples. O usuário baixa o aplicativo, encontra o terminal mais próximo e libera um dos dispositivos de carregamento, que estarão sempre com a carga completa. Os primeiros 30 minutos de utilização são gratuitos, todos os dias. A partir daí a taxa a ser paga sobe para R$ 6,90, permitindo o uso por quatro horas. Se este período for ultrapassado, o valor de R$ 12,90 é cobrado pela diária, autorizando a posse do aparelho até o dia seguinte. Também é possível fazer a assinatura de R$ 22,90 por mês e ter acesso totalmente ilimitado aos gadgets. O pagamento é feito no próprio aplicativo.

Livre de tomadas

Os pontos de retirada dos power banks estão, usualmente, além dos pontos da Oi, em lojas de conveniência, universidades, shoppings e bares. A startup também funciona oferecendo unidades de carregamento para eventos, a exemplo de seminários, encontros, reuniões, festas e ocasiões corporativas. “A bateria pode ser recarregada em casa. Então, você tem total liberdade, pode sempre trocar em qualquer terminal. Você simplesmente não se preocupa mais em recarregar celular ou recarregar bateria. É ficar livre de tomadas”, promete Gomes.

Com a ideia de utilizar a energia como um produto móvel, os empreendedores já vislumbram uma grande clientela com o avanço tecnológico de aparelhos que precisam de carregamento, “Estamos focados em dispositivos menores, mas isso pode ser uma solução para drones, bicicletas elétricas, patinetes e até, no futuro, vai servir para abastecer os carros elétricos”, adiantou o co-fundador da startup.

Há também um modelo de parceria com o estabelecimento do ponto de entrega. Vai desde o modelo totalmente gratuito, passando pelo aluguel do terminal para manter os clientes por mais tempo em seus ambientes até à valorização da marca própria do ponto. ” Se quiser customizar o terminal, colocar a marca dele, ter acesso a uma inteligência, enviar um comunicado via push… Ele pode pagar por isso”, recomendou.

Veja o vídeo sobre o como funciona a solução:

Anterior Telebras não poderia assumir a concessão de telefonia fixa, diz Anatel
Próximos Nextel perde 3,6% da receita no primeiro trimestre