Star One, Hispamar e Loral Skynet participam de licitação de satélite da Anatel


A licitação para três direitos de exploração de satélite geoestacionário, iniciada hoje, 17, pela Anatel recebeu propostas da Star One, controlada pela Embratel/Telmex, da Hispamar, parceria entre a espanhola Hispasat e a brasileira Telemar, e da americana Loral Skynet. Cada empresa poderá comprar até duas posições orbitais nas bandas C, KU ou banda híbrida entre …

A licitação para três direitos de exploração de satélite geoestacionário, iniciada hoje, 17, pela Anatel recebeu propostas da Star One, controlada pela Embratel/Telmex, da Hispamar, parceria entre a espanhola Hispasat e a brasileira Telemar, e da americana Loral Skynet. Cada empresa poderá comprar até duas posições orbitais nas bandas C, KU ou banda híbrida entre as duas. 

A agência recebeu os documentos de identificação e as propostas de preço, mas a licitação será feita em três etapas. Na sexta-feira que vem, dia 24, serão abertos os envelopes com as propostas financeiras para o primeiro direito de exploração. A melhor proposta ofertada poderá escolher entre as dez posições orbitais ofertadas pela agência (94ºW, 92ºW, 87ºW, 84ºW, 75ºW, 68ºW, 51,1ºW, 16,5ºW e 10ºW) ou outra posição orbital, mas nesse caso ainda precisará passar por processo de coordenação junto à União Internacional de Telecomunicações (UIT).

Finalizada a primeira etapa, com a homologação da empresa vencedora, aí a Anatel realizará a segunda sessão de abertura dos envelopes para analisar a documentação e as propostas financeiras para a segunda posição orbital. Encerrada a segunda fase e declarada a vencedora, a agência fará a terceira e última etapa da concorrência. Não há previsão de quando a licitação será encerrada porque sempre há prazos para que as empresas recorram dos resultados, o que pode acarretar demora no resultado final.

Ágio

Sueli Matos de Araújo, gerente da área de satélite e presidente da comissão de licitação, aposta na venda das três posições orbitais e acredita que haverá disputa financeira entre as empresas, com repique na licitação. “São três interessados e cada um pode pedir duas autorizações, então há grandes chances de conferirmos direitos nas três etapas”, disse. O preço mínimo para obtenção do direito de exploração é de R$ 1,570 milhões.

Os satélites de telecomunicações deverão cobrir permanentemente 100% do território brasileiro. As empresas proprietárias terão os direitos exploração válidos por 15 anos prorrogáveis uma única vez. Os vencedores também terão de demonstrar, a partir de seis meses após a obtenção do direito de exploração, que possuem centros de deliberação e implementação das decisões estratégicas, gerenciais e técnicas relaticas à exploração de satélites no Brasil.

As três empresas proponentes já exploram satélites no Brasil. A Star One tem cinco posições orbitais na banda C e duas na banda Ku, a Hispamar tem o satélite Amazonas e a Loral Skynet o satélite Estrela do Sul. Segundo Ana Paula Barros, advogada representante da Hispamar na licitação, é crescente a demanda por provimento de capacidade satelital para acesso internet em banda larga e que a empresa aposta na expansão desse segmento de mercado.

Anterior A venda casada de serviços derruba o preço da banda larga. Na Inglaterra.
Próximos Base de celulares cresceu 0,8% em outubro