Software produzido no Brasil ganha qualidade. Com direito a certificação.


Em 2006, o Projeto MPS.BR – Melhoria de Processo do Software Brasileiro, coordenado pela Softex, superou em 20% as metas estabelecidas junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento que, em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia e a Financiadora de Estudos e Projetos, apóiam financeiramente a iniciativa. Este ano, 100 empresas aderiram ao modelo, …

Em 2006, o Projeto MPS.BR – Melhoria de Processo do Software Brasileiro, coordenado pela Softex, superou em 20% as metas estabelecidas junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento que, em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia e a Financiadora de Estudos e Projetos, apóiam financeiramente a iniciativa. Este ano, 100 empresas aderiram ao modelo, número que seria alcançado apenas no final de 2007. Dessas companhias, 20 foram certificadas.

“A adoção do modelo MPS está crescendo no Brasil e sua aceitação pelo mercado já se dá em igualdade de condições com modelos equivalentes”, avalia Eratóstenes Araújo, coordenador de capacitação da Softex. Ele lembra que licitação recente da Caixa Econômica incluiu o MPS.BR entre as qualificações que receberão pontuação nas propostas dos fornecedores.

Adequado ao país

O MPS.BR visa promover a melhoria da qualidade e da produtividade de soluções e serviços de software de acordo com os padrões de qualidade aceitos internacionalmente, mas a custos acessíveis às empresas nacionais, sobretudo às de pequeno e médio portes. Ele é compatível com o CMMI, está em conformidade com as normas ISO/IEC 12207 e 15504, e, importante, é adequado à realidade brasileira.

Na visão de Ismar Kaufman, um dos diretores da pernambucana In Forma, primeira empresa a obter uma avaliação oficial MPS.BR, “essa escolha reflete a importância do trabalho que entidades como a Softex, a Softex Recife, o CESAR e o Porto Digital vêm realizando”. Outro depoimento significativo é o do Centro de Computação da Aeronáutica de São José dos Campos (CCA SJ), o primeiro órgão do Governo Federal aprovado em uma avaliação oficial do MPS.BR. No entender do Cel. Int. Ricardo Ferreira Gomes dos Santos, chefe do CCA SJ, “temos apenas 16 anos de existência e em tão pouco tempo alcançamos esta marca expressiva para o reconhecimento de tudo o que realizamos”.

Atualmente, o MPS.BR conta com duas instituições avaliadoras (COPPE/UFRJ – Fundação Coppetec e SWQuality Consultoria e Sistemas), 15 instituições implementadoras, além de 200 consultores independentes capacitados. Araújo diz que as metas para 2007 incluem a certificação de 80 empresas até o final do ano; a conquista de um número ainda maior de companhias para o projeto; e a sensibilização das entidades que apóiam a melhoria do software, de forma a ampliar os recursos disponíveis, e minimizar os custos de acesso.

(Fonte: assessoria de imprensa, Softex)

Anterior Canais de rádio na NET Digital
Próximos PEC para controle do capital estrangeiro na transmissão audiovisual é arquivada