Softex e Apex vão investir R$ 13,6 mi até 2015 para internacionalizar empresas de TI


A Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex) vai apoiar a atuação de empresas do setor de software e TI no exterior. Para isso, criou o Programa Internacionalização e Competitividade (Inter-Com), que será desenvolvido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC). Até agosto de 2014, a Apex-Brasil e a Softex investirão mais de R$13,6 milhões em ações de promoção comercial.

Segundo a entidade, para atender o setor de TI, esta edição do Inter-Com tem nos Estados Unidos seu principal mercado-alvo. A iniciativa está inserida no objetivo do governo brasileiro de transformar as companhias nacionais de TI em players globais, com destaque para os ecossistemas digitais de alto valor agregado e intensivos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D).

Mesmo com um mercado interno aquecido, as companhias brasileiras vêm ampliando cada vez mais a sua presença nos principais mercados mundiais. Segundo projeções do Observatório Softex, unidade de estudos e pesquisas da entidade, a receita líquida do país com exportação foi de aproximadamente US$ 1,9 bilhão em 2012. “Nos últimos anos, também o processo de internacionalização das empresas de TI vem se consolidando, prova disso é que muitas passaram a contar com escritório nos Estados Unidos, entre elas Módulo, Apdata, STA Holding, PHDSoft, Reddrummer e FiberWorks”,  aponta levantamento da entidade.

“Agora estamos dando um passo além da exportação. Chegou o momento de ampliarmos o escopo de nosso trabalho, não apenas aumentando as vendas das soluções brasileiras no exterior, mas também incrementando a presença física de nossas companhias em importantes mercados internacionais, como os Estados Unidos”, explica Ruben Delgado, presidente da Softex.

Como parte desse plano, o Programa Inter-Com da Apex-Brasil foi adequado às necessidades do setor de TI e a Softex firmou um acordo com a Fundação Dom Cabral para a aplicação de uma metodologia específica para a identificação do grau de maturidade empresarial de uma organização e apoio à sua capacitação para internacionalização. “Atualmente, 30 empresas participam desse projeto e nossa meta é fazer com que 20 delas abram operações nos Estados Unidos até 2015”, complementa Ruben Delgado.

O Programa Inter-Com mostra aos empresários exportadores as oportunidades e os desafios enfrentados pelas empresas brasileiras no processo de internacionalização de seus negócios. Inclui apresentações de acadêmicos ligados à FDC e depoimentos de representantes de empresas com negócios fora do Brasil. Também são apresentadas as ferramentas de apoio à promoção comercial desenvolvidas pela Apex-Brasil.

Para preparar as empresas brasileiras a atuarem de forma mais competitiva no mercado internacional, a Softex promoverá ações de capacitação e de apoio ao desenvolvimento de startups brasileiras no exterior, fomentando a absorção de novas tecnologias. Isso ocorrerá por meio de contatos com fornecedores, clientes e normas estrangeiras, bem como pelo estímulo para acesso ao mercado com apoio governamental para o desenvolvimento de projetos de P&D através da FINEP ou do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Entre elas, estão estimular e capacitar empreendedores na cultura e na estratégia da inovação; realizar seminários para a apresentação das principais tendências tecnológicas e práticas de inovação de empresas globais; e impulsionar a cooperação com universidades e companhias nacionais e internacionais de forma a promover a pesquisa e o desenvolvimento no Brasil. (Da redação, com assessoria de imprensa).

 

Anterior Indicação ao conselho consultivo da Anatel será contestada na justiça
Próximos Sprint fecha Nextel nos EUA e registra prejuízos no 2º tri