SMP: 1,5 milhão de chips desativados em novembro


Nextel foi a operadora que mais atraiu clientes no mês. Surf Telecom foi a que mais cresceu em um ano, em termos proporcionais. E a Oi foi a que mais desligou acessos no mês.

A base de telefonia móvel voltou a encolher em novembro, conforme dados divulgados ontem, 10, pela Anatel. O segmento teve retração de 0,65% no mês, frente a outubro, após o desligamento de 1,5 milhão de chips. Com isso, o país passou a ter 231,8 milhões de celulares ativos. Comparado a novembro de 2017, houve 7,2 milhões de desconexões, um encolhimento de 3% da base.

A Vivo segue como maior operadora móvel do país em número de clientes, com 31,75% do market share. É seguida por Claro, TIM e Oi.

A Oi foi a que mais perdeu clientes no mês. Foram 762 mil desligamentos, contra 390 da Vivo e 387 mil da TIM. A Nextel foi a que mais atraiu usuários, contabilizando 34 mil novos acessos.

Outras operadoras menores, também se destacaram. Atraíram 21,8 mil novos clientes. Classificadas ela Anatel como “outros”, essas operadoras cresceram, em conjunto, 22,83% no mês e, em um ano, 625%. Na verdade, são as empresas Surf Telecom, responsável pela MVNO dos Correios, que adicionou 20 mil clientes. Em um ano, a empresa cresceu 615%. E apareceu em novembro, pela primeira vez, a J. Safra Comunicações, focada em M2M para POS, com 1.798 acessos. A MVNO Datora também colheu bons resultados. Sua base cresceu 5,38%, adicionando 20 mil chips. Em um ano, quase dobrou de tamanho.

Pós, pré e LTE

O pós, em franca expansão, representava em novembro 42% da base móvel do país. Um ano antes, era 36%. Havia em novembro 98,44 milhões de usuários pós-pagos. Um aumento de 1,47% em relação a outubro. A Claro foi quem mais atraiu clientes nesta modalidade. Adicionou 535,5 mil no mês. A Oi vem em seguida, com 242 mil novos clientes. E a Nextel ativou 117 mil chips pós.

As operadoras seguem desligando usuários inativos no pré-pago, que encolheu em 2,9 milhões de acessos, o equivalente a 2,16%. A Oi retirou 1 milhão de usuários pré de sua base. A Vivo desconectou 687 mil, e a TIM, 586 mil.

Quanto às tecnologias mais usadas, segue a migração de usuários para o 4G, vindos do 2G e do 3G. O LTE (4G) cresceu 2,39%, o que representa 3 milhões de novos chips. Já o 3G (WCDMA) desligou, apenas em novembro, 4,6 milhões de conexões, uma retração de 7,55%. O M2M também segue em expansão no país. Foram 534 mil novos acessos no mês, um aumento de 5,17% na base.

Havia, ao fim de novembro, 128,8 milhões de usuários LTE no Brasil. Outros 56 milhões utilizavam o 3G, enquanto 24,9 milhões dependia do 2G. A modalidade M2M (especial e padrão) somavam 19 milhões de acessos.

Anterior André Casão, da Oracle, substitui Bozola na presidência da Prodesp
Próximos Raphael Denadai assume o cargo de CFO na SKY

3 Comments

  1. patrícia
    16 de Janeiro de 2019

    E muito bom tirar esses celulares que não são legalizados

  2. patrícia
    16 de Janeiro de 2019

    Temos que fazer o melhor para o Brasil

  3. 16 de Janeiro de 2019

    E bom negociar dívida com os clientes eles ficam mais despreocupados