SindiTelebrasil alerta para ‘caladão’ em Goiânia caso sejam desligadas 130 antenas


Pelo menos metade da população de Goiânia pode ficar sem os sinais de telefonia celular, caso a Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) decida desligar 130 antenas de telefonia móvel instaladas na capital de Goiás, alerta o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil). A entidade informa que em Goiânia, os serviços móveis, incluindo telefonia celular e banda larga móvel, são atendidos por 261 Estações Radio Base (ERBs) e a decisão da Amma significaria reduzir pela metade a cobertura dos serviços.

Além de exigir licença ambiental, a legislação municipal de Goiânia impõe outras dificuldades à expansão dos serviços de telefonia celular, com a obrigação de atualizar a cada dois anos essa licença onerosa, reclama o sindicato.

O SindiTelebrasil assegura que as prestadoras de serviços de telefonia móvel seguem rigorosamente a Lei Federal 11.934/2009, que determina a adoção em todo o território nacional de níveis de emissão de campos eletromagnéticos de radiofrequência apontados como seguros pela Comissão Internacional de Proteção Contra a Radiação Não Ionizante (ICNIRP). Esse organismo dá assessoria à Organização Mundial da Saúde (OMS) em suas orientações a entidades reguladoras de todo o mundo, inclusive à Anatel.

O Sindicato ressalta a importância de se criarem condições adequadas para permitir a expansão da infraestrutura e atender à crescente demanda dos habitantes de Goiânia. O mapa com a localização exata das antenas do município e de todo o País pode ser acessado no endereço www.telebrasil.org.br.(Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior AET torce para que a introdução do nono dígito em SP seja tranqüila
Próximos Site da Anatel fica inacessível para alguns internautas