Sindisat quer mais detalhes sobre acordo entre Telebras e Viasat


sgdc-visiona

O Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite (Sindisat) protocolou um pedido por informações na Telebras. A entidade cobra mais detalhes sobre o acordo fechado entre a estatal e a empresa norte-americana Viasat.

“O Sindisat tem por objetivo entender melhor as bases do contrato assinado pela Telebras, uma sociedade de economia mista. A entidade entende ser oportuno solicitar essas informações tendo em vista a natureza estatal da Telebras e a preocupação da entidade em preservar o equilíbrio das condições competitivas no mercado brasileiro”, diz o sindicato, em nota à imprensa.

Parceria

Anunciado há duas semanas, o acordo prevê que a Viasat explore a capacidade do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC), pertencente à estatal. Os termos financeiros e duração não foram revelados. O satélite brasileiro custou R$ 2,7 bilhões, da construção ao lançamento. A previsão é que, com o negócio, a Viasat passe a operar no mercado nacional a partir de abril.

A empresa deverá fornecer a capacidade para o programa Internet para Todos, do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Também poderá explorar algum modelo de negócio, como fornecimento de banda larga residencial, corporativa e para o setor de aviação.

Anterior Telefônica vai investir R$ 26,5 bi no triênio 2018-2020
Próximos Ouvidoria da Anatel elogia processo de digitalização da TV aberta em relatório

1 Comment

  1. Rogério Portela Nascimento
    13 de Março de 2018

    Também tenho interesse de ter acesso a mais detalhes de informações a respeito do Contrato firmado entre a Estatal Telecon e a Empresa Viasat, tendo em vista a licitação ter sido deseto. Quero entender qual a porcentagem de atuação da capacidade da Banda do SGDC que a Viasat poderá trabalhar, os noticiário divulgam que será de 100%, porém a Banda X estará também incluida?
    Outro ponto é com será a divisão da distribuição dessa capacidade pela Viasat. Quanto será gratuita e quanto será comercializada?

    Atenciosamente.