Simulação da Telefônica indica VPL negativo para atendimento rural


Mesmo utilizando as tecnologias wireless, o atendimento à população rural do estado de São Paulo com telefonia fixa revela que o serviço seria deficitário. Os dados do estudo de caso realizado pela operadora utilizando a tecnologia CDMA para a faixa de 450 MHz foi apresentado por Aloysio Salles Xavier, diretor de desenvolvimento de negócios, durante o 24º Encontro Tele.Síntese, organizado pela Momento Editorial e realizado hoje em São Paulo.

Xavier destacou que, para a simulação, foram usados parâmetros internacionais de preço de equipamento e as premissas atuais da regulamentação, que podem vir a ser alteradas. Por isso, preferiu não divulgar de quanto foi o VPL negativo encontrado, da ordem de milhões de reais. E o estudo considerou o atendimento de apenas 89 mil domicílios de um total de 670 mil domicílios existentes no estado de São Paulo que contam com energia elétrica mas não têm telefone. De acordo com ele, este percentual, pouco superior a 10% do total de domicílios rurais com energia, equivale ao mesmo corte de domicílios urbanos, em iguais faixa de renda, que contam com telefone. Hoje a Telefônica oferece o serviço Ruralcel, para comunidades rurais com menos de 300 habitantes, o qual conta com apenas 12 mil clientes.

Por essa simulação, o atendimento à população rural só poderá ser feito, observou Xavier, se o serviço estiver dentro de uma política pública que crie mecanismos de redução dos custos. Como exemplo, citou o caso do Chile, onde o serviço de telecomunicações rural conta com uma tarifa de interconexão diferenciada e o operador pode oferecer outros serviços além da voz na mesma plataforma.

Novos parâmetros
Os dados foram comentados por José Gonçalves Neto, gerente de competição da Anatel. Ele acredita que com as novas condições que estão sendo desenhadas pela agência para a prestação do serviço fora da Área de Tarifação Básica (ATB) os resultados da simulação serão muito diferentes. “Certamente o VPL será positivo”, aposta ele.

As condições para a prestação do serviço telefônico fixo comutado para a área rural vão integrar um regulamento, que deverá ser encaminhado pela área técnica ao conselho diretor antes do final do ano. Elas vão valer tanto para a faixa de 450 MHz como para as demais tecnologias através das quais será ofertado o serviço aos domicílios rurais, e envolvem remuneração do meio adicional com simetria entre o tráfego rural-urbano e urbano-rural; requisitos de qualidade e de atendimento adequados à realidade; critérios de restrição de mobilidade; e critérios para exploração industrial e compartilhamento de meios entre operadoras.

Anterior Cade põe fim ao acordo de preferência entre Globo e Clube dos 13
Próximos Vivo ampliou em 30% a cobertura 3G nos municípios